Viagem solo

Todo mundo deveria viajar sozinho pelo menos uma vez na vida. Eu confesso que eu achava muito deprimente viajar só porque isso, na minha cabeça juvenil, significava que você não tinha amigos, mas eu não podia estar mais enganada! Confesso que a primeira vez que viajei sozinha foi realmente por falta de companhia e num ato de extrema coragem resolvi que “bem, se não tem ninguém pra ir comigo, vou só… eu que não vou ficar mofando em Denver.” E partiu para uma das suas melhores viagens: San Francisco, Califórnia.

Depois que você pega o jeito da coisa, vai chegar uma hora que você não vai procurar companhia para viajar: você vai querer ir só! Vai ter aquela viagem que você vai pensar “uhn, preciso de um tempo comigo longe da rotina para relaxar, para tomar as minhas decisões e fazer as coisas na hora e do jeito que eu quero”.

Sua viagem, você manda

Viajar em grupo sempre é aquela coisa: onde NÓS vamos e você acaba indo a lugares que não queria porque, né, vivemos em democracia. Não que isso seja o fim do mundo, afinal, seus companheiros também vão acabar indo a algum lugar só porque você queria, mas quando você está só, escolhe onde quer ir, a hora que quer ir e se quer ir. Simples assim.

Seus horários, seu roteiro

A ideia hoje era ir num parque, mas aí você acordou com vontade de ir no museu. Pronto, não precisa discutir isso com ninguém! Deu vontade de comer num restaurante mais caro? O dinheiro dá? Você vai, não precisa discutir o budget da galera inteira.

Sozinho, mas sempre acompanhado

Viajar em grupo te prende ao grupo: pra que fazer amizades se você já tem as suas ali com você? Mas se você estiver só num hostel e a fim de conhecer gente do mundo todo, com certeza vai achar muitos outros viajantes solo por aí. Eu não sou o tipo de pessoa extrovertida que vira BFF em minutos, e, normalmente, quando viajo só aprecio minha solidão nômade, mas se puxarem papo comigo, what the hell, vamos conversar! Já tive parceiros de viagem por um dia conhecidos por aí em San Francisco, Amsterdã e Paris, por exemplo, e quase rolou em Bruxelas também. E (quase) todo mundo tá no Facebook até hoje!

Budget

Nem sempre o seu budget acompanha os dos outros viajantes. Uns são mais gastões, outros toparam viajar, mas tem lá suas restrições. Viajando só você não se preocupa com isso e só toma conta do seu porquinho. Fui para Bruxelas e Amsterdã numa vibe “vou gastar mesmo” e como não tinha ninguém comigo para dizer o contrário, eu gastei MESMO!

Terapia de viagem

Passar tanto tempo só, sem jogar conversa fora com ninguém. Horas dentro de um trem, ônibus ou avião sozinho, noites solitárias no hostel (se assim preferir). O que você faz? Pensa na vida, avalia planos para o futuro, busca soluções para probleminhas, se avalia… eh, gente, é uma terapia das boas! O problema é se você tiver seus monstrinhos e precisar encará-los…

Sensação de total liberdade e independência

Fazer o que quer, na hora que quer, se quiser e ninguém pra discordar ou meter o bedelho. Tomar as suas decisões e descobrir do que gosta e do que não gosta, afinal, não tem ninguém pra pensar ou decidir por você. É se conhecer melhor.

Selfies

Se for um amante de fotos, especialmente de fotos SUAS, aí temos um problema, pois terá que tirar muitas selfies ou ter paciência de pedir para outros turistas tirarem fotos suas. Eu passei um pouco dessa fase louca de querer muitas fotos. Claro que quero sim uma foto minha com a atração turística ao fundo, mas não é o objetivo da viagem sair bonita e sexy em frente ao muro Berlin ou do Big Ben, mas registrar o momento. Até porque, quem me conhece sabe que eu não posto as fotos de viagem no Facebook depois… hahaha… Posto uma meia dúzia e o resto é meu, lembrança minha! 🙂

Já te convenci que viajar só pode ser uma ótima ideia?!

Publicidade