As passagens de volta ao mundo

Eu sabia que uma vez aprovada no mestrado, a aprovação do visto de estudante era quase automática, mas mesmo assim preferi esperar até isso acontecer para providenciar as passagens de avião. O seguro morreu de velho.

Ainda em 2014 quando chequei os preços de passagem para Finlândia, só por curiosidade, elas estavam na casa dos 3500 reais sem as taxas. Em 2015, para chegar até Oulu este valor já estava em quase 5000 reais, com taxas. Sim, cin-co mil re-ais! E isto estava me deixando bem brochada, porém, era o jeito. Num belo dia, encontrei passagens por 4400 reais, o que me pareceu um ótimo preço, só que aí o cartão não tinha limite disponível para fazer a compra e nessa de esperar o cartão aumentar o limite, a passagem aumentou também, claro. Mas Murphy não perdia por esperar.

Eu já comentei que na época estava muito sem tempo para ver os detalhes com calma, então deixava para pesquisar passagens só aos finais de semana, porque durante a semana à noite eu não era eu de tanto cansaço e eu tinha medo de fazer besteira comprando passagem com sono. Na primeira sexta-feira livre que tive, eu passei meu dia disposta a achar o melhor preço pra essa viagem que, de manhã, era um voo da AirFrance que custava 4900 reais.

Pesquisando uma companhia aérea ali e outra aqui, do nada me deu um clique: estou indo estudar fora, logo, tenho direito à passagem de estudante! 🙂

Para quem não sabe, comprar uma passagem de estudante não significa que você vai pagar metade do valor, mas que vai ter um desconto e a vantagem de ter a primeira remarcação gratuita. Claro, as regras mesmo vão depender da companhia, mas no geral é isso e as duas únicas exigências são ter uma carta comprovando que vai fazer um curso de pelo menos duas semanas no exterior e ter até 34 anos de idade. Outro detalhe é que o consumidor comum nunca vai encontrar essas passagens na internet e só há duas maneiras de consultar valor e efetuar compra: ligando na companhia aérea ou fazendo o processo através de uma agência de intercâmbio.

Liguei na AirFrance e qual não foi minha surpresa quando a atendente me passou exatamente o mesmo valor do site, mas garantindo que a maior vantagem era a remarcação gratuita. Afff! Aí lembrei de uma agência de intercâmbio pequena que meu amigo T. havia usado para comprar as passagens de estudante dele quando foi pra Dublin. Entrei em contato e já me animei: conseguiram passagens por 3200 reais, porém com destino final Helsinque, pois não tinha essa modalidade para chegar até Oulu. Ainda achando que poderia conseguir algo melhor, entrei no site de uma agência de intercâmbio grande onde é possível pesquisar preços por conta própria online e aí sim fiquei feliz: por exatos 3024 reais eu poderia chegar até Helsinque. E o mais legal de tudo é que era pela KLM, a melhor companhia aérea que já voei até hoje. ❤

Comprado o voo principal, ficou a dúvida: como chegar até Oulu? Eu tinha 3 opções: avião, ônibus e trem. E eu tinha planos: levar duas malas despachadas, uma enorme e uma pequena, além da minha mochila de cabine. As malas certamente pesariam uns 25kg, em média.

Avião
Tem uma companhia aérea que faz este trecho num esquema de voo low cost, a Norwegian Airlines. A passagem custava 29 euros, mas eles cobrariam 12 euros por mala despachada de até 20kg, totalizando 53 euros com as malas. O voo dura 1h e o aeroporto é mais afastado da cidade, tipo uns 20km da universidade. Além disso, eu chegaria em Oulu umas 22h pegando o primeiro voo possível.

Ônibus
É relativamente barato – 20 euros – e leva umas 7 horas. Só permitem levar uma mala além da bolsa/mochila. Teria que pegar transporte público para chegar até a rodoviária. O valor é fixo, então poderia pegar uma horário para viajar de madrugada e chegar em Oulu de manhã no dia seguinte.

Trem
O valor depende do horário e, a princípio, não há limite de malas ou peso (mas é óbvio que se você chegar lá com 5 malas fica complicado). A viagem dura 7h e a estação do aeroporto foi inaugurada mês passado, ou seja, fácil demais pegar o trem.

Dadas as circunstâncias e ao fato que eu sou aloka das malas e não quis arriscar e ficar no limite de duas malas de 20kg para poder ir de avião – até porque, eu precisaria comprar 2 malas médias e não faz sentido nenhum gastar dinheiro para economizar, né? – eu decidi pelo trem, que custou 42,90 euros ou muitos reais na fatura do cartão com o maldito IOF quem inventou essa merda?.

Sendo assim, segue o trajeto eterno que parece que vou dar a volta ao mundo:
São Paulo – Amsterdã: quase 12 horas de voo
Conexão em Amsterdã: 2h20
Amsterdã – Helsinque: 2h30
Tempo de espera no aeroporto até pegar o trem: 13h
Helsinque – Oulu: aproximadamente 7h
Tempo decorrido entre a saída de São Paulo e a chegada em Oulu: aproximadamente 37 horas!!!

Lembrando que eu optei em dormir no aeroporto de Helsinque por dois bons motivos: se pegasse o único trem barato da noite, chegaria em Oulu de madrugada – not a good idea. Se pegasse um para viajar na madrugada e chegar lá cedo, teria que desembolsar mais de 70 euros e eu não sou obrigada preciso economizar o máximo que posso. A opção foi pegar o primeiro trem da manhã que estava entre os mais baratos e perder conforto. Ninguém nunca morreu de passar a noite em aeroporto (o que já fiz em Dublin, Oslo, Buenos Aires, Amsterdã e Estocolmo) e felizmente eu ainda tenho idade e disposição pra isso, além disso, terei todo o final de semana seguinte para descansar e carregar as baterias para a primeira semana de aula. Ou pelo menos é o que acho.

É como digo, nesta vida ou a gente escolhe conforto ou economia, ter os dois ao mesmo tempo é um pouco complicado. Quem quer conforto, paga por isso: eu poderia ter pago quase 5 mil reais para ir direto de avião a Oulu, mas preferi gastar 1500 reais a menos e fazer uma viagem muito louca que vai me deixar de cabelo em pé!

E podem ter certeza que eu volto aqui para contar como foi essa aventura! Wish me luck!

A prova que eu já dormir em aeroporto!
A prova que eu já dormi em aeroporto!
Publicidade

Agências – Parte 2

E eu continuei pesquisando agências…

CI
Fui a CI pelo mesmo motivo que fui a EF: é perto do trabalho. O atendimento não foi dos melhores. Foi muito impessoal, não senti na representante a vontade de me vender o curso (talvez ela tenha achado que eu não tenho cara de quem tem dinheiro pra ir pra Europa, vai saber?), mas como ela me falou que já havia morado na Irlanda por 3 anos, fiz algumas perguntas e daí surgiram novas perspectivas sobre trabalho e estudos no país que não haviam me ocorrido antes. Por este lado, a visita foi válida.
Vantagens: agência top no mesmo estilo EF e Experimento
Desvantagens: preço muito acima do mercado, atendimento regular

STB
O atendimento da STB foi excelente! A representante que me atendeu me explicou tudo muito bem e deu várias sugestões. Mas, novamente, a STB também faz parte das agências tops que só trabalham com escolas conceituadas e caras. E além disso, quando visitei a agência, já havia escolhido a ECM e a STB não tem convênio com a escola.
Vantagens: agência top, bom atendimento
Desvantagens: preço acima da média

Oh, dúvida cruel!

Egali
Egali. Um dia estava esperando o ônibus dentro da faculdade e vi um cartaz deles afixado no ponto. Cheguei em casa, acessei o site e agendei uma visita. O atendimento foi muito bom, nenhuma reclamação. O problema foi depois… Esta agência oferece a “Egali House” que é uma acomodação própria e tenta, à todo custo, empurrá-la ao futuro intercambista (eles te mostram as outras opções, mas querem fechar seu pacote com a Egali House). Eu comecei a não gostar da agência quando o representante passou a mandar emails querendo marcar data para eu fechar o programa, sempre argumentando que as vagas na acomodação estavam acabando para a data que eu queria (e o engraçado é que por mais que eu enrolasse para ir, as vagas nunca acabavam). Não bastasse isso, argumentava também que os preços das escolas aumentariam para 2012 e era melhor eu garantir o preço atual. Eu, absolutamente, concordo que a agência deva entrar em contato com um possível cliente e perguntar como vai seu planejamento (como quase todas as agências fizeram comigo), que deva informar questões de valores (promoções, aumentos etc) e sanar dúvidas; mas discordo  da abordagem que esta agência teve comigo. Creio que toda e qualquer agência deva vender seu produto pela qualidade e/ou preço e isso basta. Tentar fazer o cliente acelerar o fechamento do pacote com tais argumentos (“vem logo, senão as vagas acabam”, “feche logo, senão o preço da escola aumenta”) não é legal. Mandei um email para a agência relatando tudo isso, mas a resposta não foi convincente, simplesmente porque dentre todas as agências que visitei, esta foi a única que teve tal atitude.
Vantagens: suporte da agência em Dublin, unidades em vários estados do Brasil
Desvantagens: as descritas acima

AGBR
Lembro-me como fiquei sabendo sobre a Irlanda. Trabalhava num lugar onde umas das funcionárias havia morado mais de 1 ano na Ilha Esmeralda e numa conversa eu perguntei por qual agência ela havia ido. “Uma pequena, chamada AGBR”. Por curiosidade, busquei o site da agência na internet e mandei um email pedindo um orçamento. Achei o valor do pacote muito atrativo, mas naquela época o segundo intercâmbio ainda era um plano para um futuro meio distante e incerto.
Depois de pesquisar todas essas agências, resolvi tentar fechar direto com a escola. Então, conheci algumas pessoas que já tinham fechado o pacote com a AGBR e resolvi contatá-la novamente. Marquei uma visita e gostei muito do atendimento e do preço. Levei uns 10 dias para me decidir (mandei alguns emails tirando dúvidas nesse meio-tempo) e então, voltei e assinei o contrato. É uma agência simples, mas com um atendimento muito bom e até o momento, não tenho reclamações. Fui bem atendida e me senti à vontade para decidir quando voltar lá para assinar contrato e decidir outros detalhes do intercâmbio. Não tentaram me empurrar mais tempo de acomodação ou um plano caro de seguro saúde.
Vantagens: atendimento, preço, muitas opções de escolas
Desvantagens:  apenas duas unidades no Brasil

E esta foi minha saga para encontrar a batida agência perfeita!

Quero destacar que estas foram minhas experiências com cada agência e quando se trata de serviços ou até mesmo produtos, cada indivíduo pode ter uma diferente. Eu, por exemplo, nunca mais vou comprar um celular da Motorola porque já comprei um aparelho desta marca que me deu muita dor de cabeça, mas conheço pessoas que usam e gostam dela. Minha experiência não foi boa. Assim também funciona com as agências: algumas pessoas terão ótimas experiências e outras, não. Claro, vale pesquisar a idoneidade da agência e consultar pessoas que já utilizaram os serviços. Eu, por exemplo, chequei o CNPJ de todas as agências e pedi cópia dos contratos. Você não está comprando um Yakult no mercado, está concretizando um objetivo. Pesquisar nunca é demais.