Tomato

Hora do almoço, todos comendo e F. aponta para meu prato.

“What’s this, Beatriz?”
“It’s fish with onions, pepper and tomato.”
“Noooo. This is not tomato.”
“Yes, it is.”
“No, it isn’t.”
“Yes, F. I made it so I know it’s tomato, believe me.”
“It’s not TOMEIROU, Beatriz, it’s TOMATOU. But it’s ok if you want to say TOMEIROU, but it’s TOMATOU.”
“¬¬”

Ahhhhhh, menino, eu não fiz 6 anos de curso de inglês, Letras na USP, intercâmbio de 1 ano nos Estados Unidos e tirei o CAE para ouvir um irlandesinho de 3 anos corrigindo meu sotaque! 🙂

Tradução:
“O que é isso, Beatriz?”
“Peixe com cebola, pimentão e tomate [tomeirou].”
“Nããão. Isso não é tomate [tomeirou].”
“É, sim.”
“Não é, não.”
“É, F. Eu que fiz, então eu sei que é tomate [tomeirou], pode acreditar.”
“Não é TOMEIROU, Beatriz, é TOMATOU. Mas tudo bem se você quiser falar TOMEIROU, só que é TOMATOU.”
“¬¬”

PS: O F. corrigiu meu jeito de falar tomate com sotaque americano. O serzinho de 3 anos quer me fazer ficar com sotaque irlandês! 😉

 

Publicidade

Nove meses de Irlanda

Mais um mês na terra dos leprechauns! Meu humor mudou muito desde o post de oito meses… passei de um “quase renovo o visto para ficar mais um ano” para um “falta muito para eu voltar para minha terra?”

De repente, a Irlanda perdeu o encanto. Claro que alguns fatores contribuíram para isso, mas nada que eu já não houvesse notado antes. Simples e literalmente, um dia acordei de “saco cheio” e este feeling não passou ainda.

Dentre os motivos:

Frio! Sim, eu sabia que aqui fazia frio, mas eu não imaginava que fizesse tanto frio e por tanto tempo. As temperaturas só começaram a passar de 10 graus há uns 10 dias e fazia frio desde setembro. Foram 7 meses de muito frio e agora está apenas frio. Eu não lembro mais o que é sentir calor, eu não sei mais o que é sair de camiseta na rua, usar rasteirinha ou usar um vestido soltinho.

Dias cinzas. O clima influencia nosso humor, mas só notei isto de fato aqui. A maioria dos dias são cinzas, nublados ou com cara de poucos amigos. O sol sai um dia ou outro e nem sempre fica o dia todo. Passar dias sem ver raios de sol deprime. E você só percebe que era isso o que te deprimia quando finalmente chega aquele dia que o sol brilha sem nuvens o dia todo.

Típico céu irlandês
Típico céu irlandês

Sotaque irlandês. Não, eu não gosto do sotaque deles, de nenhuma região (pois apesar de ser uma ilha com pouco mais de 4 milhões de habitantes, há inúmeros sotaques até mesmo em Dublin). Ainda hoje me pego dizendo “Sorry” por não entender o que me dizem, algo que raramente eu fazia quando morava nos Estados Unidos. A pior parte é que não tive como evitar a mudança no meu inglês: substitui várias palavras no meu vocabulário e passei a “enrolar” menos a língua para falar. Não é pants, é trousers. Não é diaper, é nappy. Não é sneakers, é trainers. Agora eu ando falando waTer, liTTle, beauTiful, nada daquele som de “r”… Quando cheguei por aqui, era comum ouvir os irlandeses me dizendo que eu tinha sotaque americano (leia-se “sotaque brasileiro com traços americanos”). Não sei se isso ainda se aplica.

Sem motivos nem objetivos. Fiquei me perguntando porque estava morando na Irlanda. Aprender inglês? Não. Melhorar o inglês? Também não. Juntar dinheiro? Estudar? Não. Vim para cá para ter mais experiência no exterior e viajar. Experiência, ok. Viajar? Não viajei tanto quanto gostaria ainda.

Rotina. A rotina também tem seu papel. Acordo cedo, trabalho, chego cansada, tomo banho, janto e durmo. Os finais de semana não têm tido tantas novidades também.

Mas a Irlanda tem coisas positivas também, claro, acho que apenas estou vendo o copo meio vazio ultimamente. Talvez meu humor tenha mudado até o post de 10 meses. 😉

Dois meses de Irlanda

E o segundo mês passou mais rápido ainda do que o primeiro.

Agora eu…

… estou quase pegando o jeito de atravessar a rua, mas ainda olho com espanto para o banco do “motorista” vazio e me pergunto como o carro está andando sozinho! Aí lembro que é tudo invertido aqui.

… estou perdendo a mania de converter os valores porque…

… agora eu gasto em euros, mas eu ganho em euros!

… continuo calculando que horas são no Brasil.

… não apenas comi, como aprendi a fazer feijão! E ontem rolou uma feijoada light por aqui. Só alegria.

… já sei cozinhar o básico, então comecei a experimentar e ver que maravilhas posso fazer na cozinha. Só pra constar, ainda não vi nenhuma maravilha!

… experimentei Guinness e posso dizer com toda certeza que é a pior cerveja que já tomei na vida. Claro, eu não gosto de cerveja nenhuma, mas a Guinness consegue ser ainda mais amarga que as outras.

… o sotaque irlandês continua um mistério para mim: um país tão pequeno com tantos sotaques diferentes e nada que se pareça com o lindo sotaque americano e tampouco com o britânico.

… o frio está chegando e hoje tive meu primeiro dia de chuva/frio/rajada de vento/cheguei toda molhada.

… já estou com dois meses de aula e começando a me sentir entediada.

… troquei a Bulmers pela Kopparberg.

… percebi que nunca aprenderei coreano.

… ainda estou procurando o pote de ouro, mas até o momento, sem sucesso.

… estou feliz com a vida que estou levando na Ilha Esmeralda!

Irish English x American English

Eu aprendi o inglês americano: pronúncia, sotaque, expressões, vocabulário e ortografia. Para colocar a cereja em cima do bolo, eu morei um ano nos Estados Unidos (como vocês estão carecas de saber).

Nessa vida de teacher, como trabalhei em uma escola que adotava o inglês britânico e também, como para alunos iniciantes a pronúncia britânica soa mais clara e fácil de se entender, eu acabei adquirindo um quase nada de vocabulário/pronúncia britânica, mas com toda certeza  gosto mais do sotaque americano!

Chegando aqui na Europa, ouvi de alguns irlandeses que eu tenho sotaque americano. Fiquei boba, porque sempre achei que tivesse o sotaque brasileiro. 😉 A questão é que às vezes não sou compreendia pelos nativos, o que muito me intriga. Fato é que, primeiro, eu falo muito rápido quando estou conversando com nativos; segundo, eu uso vocabulário de americano. O cara do banco não me entendeu, o cara do FAS (lugar onde as pessoas vão procurar emprego) não me entendeu e não fui compreendida em outras situações. Mas se eles assistem seriados e filmes americanos, qual é o problema? Eu?

Enfim, nos últimos dias tenho notado algumas diferenças de vocabulário. É óbvio que pesquisando na net, você pode achar vários sites que falem destas diferenças, mas eu vou listar aqui as que EU ouvi e notei.

Na esquerda estão as palavras usadas no inglês americano e na direita, no irlandês:

Bathroom – Toilet

To pick up – To Collect

Line – Queue

Deposit – Lodgement (essa quase me matou quando fui ao banco pela primeira vez fazer um depósito, digo, lodgement)

Excuse me – Sorry (eles pedem licença dizendo “sorry”)

Downtown – City Centre

Roomate – Flatmate

Pants – Trousers

Sneakers – Trainers

Apartment – Flat

A lot of – Loads of

Red-haired – Ginger

Sem contar que é broxante você se esforçar para aprender o temido “th” sound com a linguinha entre os dentes e tudo mais pra chegar aqui e ouvi-los pronunciando o th com o som de t mesmo.

Por hoje é isso, mas já tenho novidades para contar nos próximos posts!