O caso da bicicleta

Quando estamos morando fora, longe de tudo e todos que conhecíamos como realidade até então, tenho a impressão que as coisas tomam proporções gigantescas, principalmente em situações ruins. Eu fiquei extremamente chateada quando roubaram meu laptop na Irlanda e justamente por não estar no Brasil, eu senti que me atingiu muito mais.

Por já ter sido roubada enquanto fazia intercâmbio, entendi bem o que a A., minha amiga da Indonésia, sentiu quando percebeu que sua bicicleta já não estava mais onde ela a havia deixado, bem frente ao prédio onde moramos. Apesar de Oulu ser relativamente segura e as pessoas apenas travarem a roda – não é comum “amarrar” a bicicleta em algum lugar fixo -, roubos acontecem e aconteceu com ela.

O consolo foi que ela ganhou a bicicleta usada de um casal indonésio que ela conheceu aqui, então das perdas, a menor. Mas ainda assim a sensação de ter algo seu tirado é realmente ruim. Isso significava perder o principal meio de transporte, um eventual gasto com uma nova bicicleta e custos com passagem de ônibus nas eventuais saídas. E como a chance de encontrar a bicicleta era mínima, o que não tem remédio, remediado está.

Dez dias depois eu marco de passar na casa de um conhecido, que mora a uns 5 minutos do meu prédio, para ver uma peça de roupa de frio que ele estava vendendo (aqui é extremamente normal as pessoas venderem e comprarem coisas usadas, especialmente estudantes). Saí da aula da manhã e fui até lá pedalando. Ele mora num conjunto de prédios na rua da universidade – deve ter quase 50 prédios e cada um com 3 entradas. Chego em frente ao prédio dele e percebo que tem vagas para parar a bicicleta. Breco, desço da bike e a apoio no suporte. Olho para o lado e vejo uma bicicleta roxa que, de alguma forma, me pareceu familiar. Olho mais atentamente e vejo que ela tem duas cestas traseiras… OMG! É A BICICLETA DA A.!!!

Liguei para ela e disse pra me encontrar imediatamente, pois eu havia encontrado sua bicicleta!

Qual é a chance de se encontrar uma bicicleta roubada? Qual é a chance de a bicicleta estar parada em frente ao prédio de um conhecido meu? Qual era a chance de eu ir no prédio e parar a minha bicicleta justamente do lado da bicicleta dela? Como nevou na noite anterior, a bicicleta estava coberta de neve e eu vou confessar que eu não ia ficar olhando em volta e só notei mesmo que era a bicicleta roubada porque eu parei exatamente do lado dela! É muita teoria do caos pra uma situação só!

O mais engraçado é que a bicicleta estava do mesmo jeito como no dia que foi roubada e a corrente ainda na roda dianteira. Depois disso, as perguntas pairavam no ar! Quem fez isso? Por que roubou a bicicleta e a deixou em outro lugar tão próximo? Foi isso um roubo mesmo ou apenas um finlandês bêbado brincado de esconder coisas alheias? Ou a pessoa só queria sacanear alguém? Se tivesse sido na Irlanda, eu diria que tinha sido os leprechauns.

Indagações sem respostas e mistérios à parte, é sempre bom ajudar um amigo – mesmo que tenha sido completamente sem querer!

A paisagem do local do achado
A paisagem do local do achado

CSI Dublin

Quem acompanha sempre o blog deve ter percebido que sumi, já que o último post já tem quase uma semana. É que fica um pouco difícil para uma blogueira escrever sem seu laptop… que foi roubado!

O caso

– Alô!
– Bia, você não acredita! Entraram em casa e levaram tudo!
– Mentira!

Na última segunda-feira a casa onde moro foi arrombada e levaram todos os laptops. Sim, isso mesmo, invadiram minha casa e roubaram meu laptop!

Estava voltando do trabalho quando um dos flatmates me ligou. Eu não consegui acreditar, só pensei nas fotos e nos arquivos que tinha no laptop. Liguei para a B., a mãe das crianças, perguntando o que poderia fazer. Ela me orientou a ligar para o 999, o número de emergência da Irlanda.

Nenhum dos moradores estava em casa e durante o dia, alguém arrombou a porta (aqui não existe a cultura do portão, logo, a porta dá direto para a rua) e roubou apenas nossos laptops. Não levaram câmeras, não reviraram a casa à procura de dinheiro ou outros objetos de valor. Só queriam nossos preciosos laptops.

A GARDA

Liguei para o 999, que me redirecionou para GARDA, a polícia irlandesa, e 30 minutos depois dois policiais vieram em casa. Olharam a “cena do crime”, vulgo “quartos”, pediram algumas informações e detalhes dos laptops furtados. Eu não sabia se ria ou chorava quando um dos policiais me disse que eu deveria ligar dando todos os dados do laptop para eles colocarem no sistema, pois caso o achasse, me ligariam para devolver. Tipo, há a possibilidade de ele ser achado? 😦

Os detetives

Logo depois, os detetives da GARDA vieram procurar indícios do fdp desgraçado indivíduo que invadiu a casa. Nesta hora eu me senti num episódio de CSI. Dois homens com maletas procurando digitais pela casa. Mas não deu em nada: o cretino indivíduo usou luvas e não deixou rastros.

A ficha caiu

Eu fiquei muito chateada. Meu desânimo foi tanto que pensei em voltar para o Brasil já. Nunca me aconteceu isso por lá e eu não vim para a Europa para ser furtada. Era só isso que eu pensava. Dormi muito mal naquela noite, ficava imaginando um bastardo indivíduo entrando no meu quarto e pegando meu laptop de cima da cama. No dia seguinte, a esperança de chegar em casa e ver meu velho Dell em cima da cama ainda vivia, mas ele não estava lá. Anos de downloads de música, fotos, arquivos e trabalhos freelancers que eu faço se foram. E assim como o passaporte, não me deixaram bilhete de despedida também.

O apoio

A família para qual trabalho é realmente maravilhosa, e no mesmo dia me ligaram à noite para saber como eu estava e se eu queria que eles me buscassem para dormir na casa deles. Claro que não aceitei, mas fiquei feliz com a atitude. Eles deixaram o laptop deles para eu usar e me emprestaram o iPad para não ficar sem net em casa. Pessoas lindas: sim ou claro?

Além disso, após fazer muito drama no Facebook, um amigo se comoveu comigo e me doou um tablet que ele não usava mais. Não substitui um laptop, mas quebra um galho e a atitude dispensa comentários.

Quem entrou em casa fez tudo muito rápido, tanto é que um dos laptops não foi roubado simplesmente porque não estava visível (estava do lado da cama, do lado contrário da porta). O meu e os outros estavam em cima da cama, visíveis. O corno desgraçado indivíduo não se deu ao trabalho de procurar nada, levou o que viu. Com certeza vai trocar por drogas…

Na mesma semana, o e-Dublin publicou uma matéria sobre furtos na cidade. Eh, esqueçam esta história de que na Europa é tudo maravilhoso. Eu nunca tive essa ilusão, mas não esperava ter conhecimento de causa para falar a respeito!

Rindo da própria desgraça

Para descontrair um pouco, um amigo me enviou esta matéria sobre um laptop roubado em Londres que começou a mandar fotos de seus novos donos no Irã! Infelizmente, eu não tinha nenhum programa espião ou algo do tipo no meu laptop e jamais saberei de seu paradeiro, mas por um momento pensei que o danadinho pode começar a viajar mais do que eu!