Turistando em Dublin

Aproveitei que ficaria dois dias inteirinhos em Dublin para turistar pela cidade. “What?! Mas tu não morou um ano lá? Vai turistar o que?”

Pode parecer muito óbvio que uma pessoa que morou um ano numa cidade tenha conhecido tudo que há nela e dizer que vai fazer turismo soe estranho. Mas encaremos os fatos: nasci em São Paulo e dos meus 27 anos de vida, 25 foram morando aqui. Eu nunca fui ao Mercado Municipal nem ao Jardim Botânico. Deal with that. Não conheci tudo que Dublin tinha a oferecer, porque muitas vezes eu estava com preguiça de sair de casa no frio ou não encarava a vida como uma eterna descoberta irlandesa, afinal, eu morava lá e sempre podia deixar pra semana seguinte… até que o dia de voltar ao Brasil chegou e não deu tempo de fazer tudo.

No dia 1 de janeiro estava quase tudo fechado, mas a fábrica da Guinness estava aberta e esse foi o grande passeio do dia. Eu não bebo cerveja, eu não gosto de cerveja porque acho amargo e não fiz questão de visitar a Guinness enquanto morava em Dublin. Mas voltando para lá como turista, achei que seria uma visita interessante – e eu estava absolutamente certa!

A entrada é bem cara – paguei 16,20 euros comprando online – mas se você fizer uma visita bem feita, vai ficar umas boas 4h lá dentro, então até que vale o preço, ainda mais porque você ganha uma pint, o que por si só custaria uns 6 euros num pub.

Siga as setas!
Siga as setas!

A visita começa contando como a Guinness é fabricada e tudo que está envolvido em sua fabricação. Engraçado é que até o modo como os barris de madeira são feitos é enfatizado. Outro ponto interessante é que até a água que é utilizada na fabricação tem lá seus padrões de qualidade. Aliás, fica a dica, picolé de chuchu, vulgo Alckmin:

O cara estava preparado pra defender até a morte o abastecimento de água para fabricar sua cerveja... e eu aqui bebendo água do volume morte... tem algo errado nessa história!
O cara estava preparado pra defender até a morte o abastecimento de água para fabricar sua cerveja… e eu aqui bebendo água do volume morto… tem algo errado nessa história!

Lá pelo 3º andar, começa o endeusamento de Arthur Guinness e sua família. Sério, eles tratam o cara como uma espécie de padroeiro irlandês! Primeiro Deus, depois St. Patrick e Arthur Guinness. Anyway, o andar que fala sobre ele e a família é muito legal, porque nas paredes há TVs penduradas como se fossem quadros dentro de molduras e em cada “quadro” tem um vídeo contando a história toda. O que me chamou a atenção foi que a senhora Guinness, Olivia, pariu 21 crianças. VINTE E UMA crianças. Não sei vocês, mas quando eu ouço um caso desse não consigo não pensar o que parir 21 crianças não faz com o corpo de uma mulher… Voltando. Destas, 11 crianças sobreviveram à idade adulta e foram elas que deram continuidade ao legado do pai.

Finalmente chegamos ao que interessa: a cerveja. Entramos numa sala cheia de vaporzinho com aromas diferentes de cerveja. Cada botão que se apertava, soltava um aroma diferente em forma de vapor. Nesta mesma sala, colocaram a Guinness em pequenos copinhos para que pudéssemos ir a sala de “prova”. A parte mais legal foi quando o guia disse que “qualquer um que aparente ter menos de 23 anos precisará mostrar o ID. Não se ofendam!” Lá fui eu toda feliz pegar minha Guinness quando a mocinha do balcão me impediu. “Can I see your ID?”. Why not, né, gente? Mostrei e peguei minha mini Guinness.

As olheiras não negam: eu havia dormido apenas 7h nos últimos dois dias! E essa fumaça não é que o você está pensando! hehe...
As olheiras não negam: eu havia dormido apenas 7h nos últimos dois dias! E essa fumaça não é que o você está pensando! hehe…

Na sala seguinte, a guia nos ensinou como se deve beber Guinness e isso foi life changing! Bem, eu não gosto de cerveja e eu sempre achei a Guinness muito amarga! Até então, porém, eu jamais havia bebido uma pint, apenas tinha dado bicada na cerveja alheia e feito careta – tira isso da minha frente! Ela explicou que dar bicadas na cerveja é totalmente errado, pois desta forma, só se sente o amargor. O correto é – prestem muita atenção – respirar fundo, dar um grande gole e soltar o ar enquanto a cerveja é engolida. E juro, quando eu fiz isso eu achei o sabor da Guinness muito agradável! Não testei com outras cervejas para ver se o resultado seria o mesmo, mas acho que se um dia eu voltar a Irlanda, até topo pedir uma Guinness no pub!

Finalmente chegamos ao pub! No penúltimo andar eles dão um mini curso de como fazer a pint perfeita, porque há toda uma regra de como se deve colocar a cerveja no copo! Cada um tem o direito de fazer a sua e beber em seguida.

The perfect pint of Guinness!
The perfect pint of Guinness!

Eles, então, emitem um certificado dizendo que você sabe fazer “the perfect pint of Guinness” e você pode ficar à vontade para saborear sua cerveja. E por incrível que pareça, eu bebi a minha usando a técnica certa e gostei!

Finalmente, no último andar, tem um bar/restaurante de onde se tem uma visão 360º de Dublin. Well, o prédio não é muito alto e Dublin também não tem prédios altos ou atrações turísticas mundialmente conhecidas que pudessem ser vistas de cima, mas de qualquer forma, achei legal ver a cidade “de cima”.

Dublin, prazer!
Dublin, prazer!

Terminada a visita, a ideia era ir aos museus do centro da cidade, mas saí da Guinness quase às 17h, hora que os museus fecham. E como é inverno, já estava escuro também. Voltei para a casa e tive uma noite agradável com todos os envolvidos…

No dia seguinte, sim, fui turistar no centro: passei pelo Stephen’s Green, Grafton Street e Trinity College. Visitei a National Gallery of Ireland, depois o Museu de Arquelogia e, finalmente, o Museu de Artes Decorativas e História. Vale lembrar que os dois primeiros ficam em Dublin 2 e o último em Dublin 7 – e fiz todo o roteiro a pé, o que significa que neste dia andei demais! Todos os museus são gratuitos e cheios de coisa para ver.

Eu até cheguei a dar uma passadinha na Penneys (saudades) neste dia, mas como não poderia gastar muito antes de partir para os outros dois países, me contentei em pegar só o necessário: um par de luvas decentes. Eu tinha um par de luvas de couro que comprei nos EUA por coisa de 10 dólares e adorava! Um belo dia, levando os loirinhos no shopping, enfiei as luvas no bolso do casaco e elas caíram – fiquei bem chateada! Comprei um par por 9 euros achando que eram luvas sintéticas. Quando cheguei no Brasil e fui guardá-las me atento a etiqueta dentro da luva: 100% leather. Eh, dá pra dizer que fiz um ótimo negócio, só resta saber quando terei a chance de usá-las novamente.

Eu morei um ano em Dublin e nunca havia provado o “prato típico” local: fish&chips – eu raramente comia na rua, porque não é assim exatamente barato, então, a oportunidade acabou passando. Neste dia almocei o famoso! Paguei 4,95 euros achando que não me encheria: que engano! Comi até dizer chega e ainda sobrou! Nada de especial no prato, mas agora já posso dizer que comi!

No fim do dia, voltei para a casa da Bárbara exausta! Pedimos uma pizza (então, não estava com saudade de pizza irlandesa, não… haha), tivemos uma noite agradável com o Rick e o R., preparamos nossas malinhas e fomos dormir tarde, mesmo sabendo que às 3h40 acordaríamos para ir para nossa tão falada viagem! hehe…

Eu contra a luz na Grafton. Quem vê pensa que Dublin é ensolarada! hehe...
Eu contra a luz na Grafton. Quem vê pensa que Dublin é ensolarada! hehe…