Bray

Eu fui para Bray. Bray, sabe? Não?

Hoje é feriado bancário (Bank Holiday) aqui na Irlanda. Não me pergunte de que, eu também não sei do que se trata este feriado. O importante é que tínhamos um dia livre e para não ficar num estado de tédio em Dublin, resolvemos ir para Bray, sem nem mesmo saber o que nos esperava. Ai, como estou aventureira!

É muito fácil e barato ir para lá. É só pegar o DART e em cerca de meia hora, chega-se na pequena grande cidade de Bray!

Ticket para usar o DART

O que tem pra ver lá é, basicamente, a praia. Aí que estávamos indo de jaqueta, cachecol e botas para praia. Isto gerou uma sensação muito estranha aos brasileiros acostumados a torrar a bunda bronzear a pele nas areias das terras tupiniquins… oh, wait! Eu disse “areia”? E quem disse que na praia de Bray tinha areia?

Praia com pedras!

Pedras tão lindas que não resisti e trouxe algumas de souvenir!

Bia, a aventureira!

Passeamos um pouco pela praia, subimos nas rochas e nos admiramos com os irlandeses que estavam dentro da água do mar, que deveria estar na mesma temperatura do oceano que matou o Jack no Titanic, nadando felizes, aproveitando um belo dia de verão irlandês, que chegou a escaldantes 17 graus hoje!

Depois de apreciar a beleza da praia de Bray, escalar as rochas e andar pela beira do mar gelado, a natureza nos lembrou que era hora do almoço. Se algum dia você tiver a curiosidade de checar um dicionário de sinônimos, vai descobrir que “intercambista” e “pobre” tem quase a mesma definição. A fim de não gastar muito em nossa refeição, fomos ao um “take away” à beira da praia. Para que não digam que fizemos a escolha unicamente pensando no bolso, digo logo que o lugar estava bem cheio e, pasmém, todos os consumidores pareciam turistas!

Você tem o que você paga. A mesma pessoa recebia o dinheiro, entregava o lanche e, digo mais, colocava a mão sem luvas no dito cujo. Claro, só a vi fazendo isso com o peixe empanado, no meu hamburguer não vi nada! E oh, não duvido nada que isso ocorra muito aqui na Irlanda.

De barriga semi-cheia, fomos para a segunda parte da aventura. Começamos a trilha dos penhascos. Só não sabíamos que a trilha tinha 6 km.

Foca no objetivo! Bora!

Nos primeiros 3 km, conversamos, rimos, paramos para tirar fotos e apreciar as lindas paisagens. Era uma alegria só!

Se você está feliz, diga xis!

De repente, a conversa cessou, o riso se desfez, as fotos foram esquecidas e só pensávamos em uma coisa: falta muito pra acabar a trilha?

E no meio do caminho havia uma pedra!

Bravamente, percorremos os 6km e chegamos na bela cidade de Greystones. Procuramos a estação do DART e voltamos para Dublin, felizes pela nossa primeira viagem aqui na Ilha Esmeralda e pela esperança de ter queimado algumas calorias na caminhada!

Piadinhas à parte, Bray é uma cidade muito pequena com belas paisagens e uma praia muito bonita e diferente do que nós, brasileiros, estamos acostumados. Recomendo a visita!

Publicidade