Nove meses de Irlanda

Mais um mês na terra dos leprechauns! Meu humor mudou muito desde o post de oito meses… passei de um “quase renovo o visto para ficar mais um ano” para um “falta muito para eu voltar para minha terra?”

De repente, a Irlanda perdeu o encanto. Claro que alguns fatores contribuíram para isso, mas nada que eu já não houvesse notado antes. Simples e literalmente, um dia acordei de “saco cheio” e este feeling não passou ainda.

Dentre os motivos:

Frio! Sim, eu sabia que aqui fazia frio, mas eu não imaginava que fizesse tanto frio e por tanto tempo. As temperaturas só começaram a passar de 10 graus há uns 10 dias e fazia frio desde setembro. Foram 7 meses de muito frio e agora está apenas frio. Eu não lembro mais o que é sentir calor, eu não sei mais o que é sair de camiseta na rua, usar rasteirinha ou usar um vestido soltinho.

Dias cinzas. O clima influencia nosso humor, mas só notei isto de fato aqui. A maioria dos dias são cinzas, nublados ou com cara de poucos amigos. O sol sai um dia ou outro e nem sempre fica o dia todo. Passar dias sem ver raios de sol deprime. E você só percebe que era isso o que te deprimia quando finalmente chega aquele dia que o sol brilha sem nuvens o dia todo.

Típico céu irlandês
Típico céu irlandês

Sotaque irlandês. Não, eu não gosto do sotaque deles, de nenhuma região (pois apesar de ser uma ilha com pouco mais de 4 milhões de habitantes, há inúmeros sotaques até mesmo em Dublin). Ainda hoje me pego dizendo “Sorry” por não entender o que me dizem, algo que raramente eu fazia quando morava nos Estados Unidos. A pior parte é que não tive como evitar a mudança no meu inglês: substitui várias palavras no meu vocabulário e passei a “enrolar” menos a língua para falar. Não é pants, é trousers. Não é diaper, é nappy. Não é sneakers, é trainers. Agora eu ando falando waTer, liTTle, beauTiful, nada daquele som de “r”… Quando cheguei por aqui, era comum ouvir os irlandeses me dizendo que eu tinha sotaque americano (leia-se “sotaque brasileiro com traços americanos”). Não sei se isso ainda se aplica.

Sem motivos nem objetivos. Fiquei me perguntando porque estava morando na Irlanda. Aprender inglês? Não. Melhorar o inglês? Também não. Juntar dinheiro? Estudar? Não. Vim para cá para ter mais experiência no exterior e viajar. Experiência, ok. Viajar? Não viajei tanto quanto gostaria ainda.

Rotina. A rotina também tem seu papel. Acordo cedo, trabalho, chego cansada, tomo banho, janto e durmo. Os finais de semana não têm tido tantas novidades também.

Mas a Irlanda tem coisas positivas também, claro, acho que apenas estou vendo o copo meio vazio ultimamente. Talvez meu humor tenha mudado até o post de 10 meses. 😉

Publicidade