Frio: como lidar?

Sabe aquela pessoa que detesta o verão porque transpira muito, dorme mal e não aguenta de calor? Que prefere um friozinho e se sente muito melhor quando as temperaturas estão mais baixas? Bom, esta pessoa não sou eu! Eu adoro o verão, acho maravilhoso sair de casa usando um vestido ou uma saia bem fresquinha e não me preocupar em levar nem um casaquinho porque vai continuar quente à noite; adoro acordar de manhã num belo dia de verão, pular da cama, abrir a janela e ver aquele céu azul com um baita sol brilhando – isso me enche de energia e me deixa feliz; eu transpiro relativamente pouco e menos ainda se não estiver fazendo nenhuma atividade física e o calor não muda isso; eu consigo dormir maravilhosamente bem no verão e ainda uso meias (porque eu estou acostumada mesmo); e para o calor começar a me incomodar precisa estar chegando perto dos 40 graus. Ou seja, o calor de São Paulo, que costuma ter suas máximas entre 30 e 35 graus no verão, só me deixa feliz. Por outro lado, eu detesto o frio! Em São Paulo, por não termos nenhum tipo de sistema de aquecimento, tem dia que fica mais frio dentro de casa do que fora e eu posso fácil fácil listar vários motivos porque frio não é legal no Brasil:

  • Você vai dormir, a cama está fria;
  • Você acorda e fica morrendo de preguiça de levantar;
  • Aliás, você acorda e fica com medo de sair da cama e enfrentar a vida, porque sabe que assim que se livrar do cobertor vai morrer de frio;
  • É preciso muita coragem pra tomar banho, porque tirar a roupa não é fácil;
  • Quando a temperatura cai muito, não temos roupas quentes o suficiente para nos proteger do frio da rua;
  • A pele fica ressecada;
  • Todos fecham as janelas porque está frio e qualquer lugar fechado ou transporte público se torna uma “sauna” em pouco tempo;
  • Não sei que tipo de pessoa fica mais chique no inverno, porque eu pareço uma mendiga vestindo qualquer roupa que me faça sentir menos frio;
  • Minhas costas doem, pois o frio me faz contrair os músculos e no fim do dia não aguento de dor.

Ah, Bia, mas na Finlândia não é assim, tem aquecimento em todo lugar e mesmo que esteja – 30 lá fora, dentro de caso está quente. Eh, mais ou menos. Vai aí outra lista de como o frio é horrível quando o fator “falta de aquecimento” é eliminado:

  • O inverno é escuro;
  • A pouca luz pode causar muitos efeitos negativos na vida de uma pessoa, como eu já falei aqui;
  • Sair de casa e chegar em casa é sempre um ritual: colocar/tirar camadas e camadas de roupa, touca, luvas, cachecol, meias grossas, botas etc;
  • E mesmo que você esteja adequadamente vestido para a temperatura, isso não significa que você vai poder ficar horas na rua de boa – o rosto normalmente fica exposto e se faz -30, por exemplo, não é frio que você sente, é dor;
  • Os pés e as mãos doem de frio depois de um tempo na rua;
  • O aquecimento é maravilhoso, levantar de manhã e não morrer de frio é sensacional, mas resseca a pele e muito! O ar fico muito seco e você até acordo de madrugada com a boca seca;
  • Num país como a Finlândia onde o norte fica coberto de neve  por praticamente 6 meses todo ano, andar na neve pode ser uma aventura – se neva muito, a neve fofa dificulta caminhar, mas se a temperatura esquenta um pouco e a neve derrete, é horrível andar entre neve e água e, finalmente, quando a temperatura cai novamente e a neve derretida, vulgo água, congela de novo, aí a cidade vira um rinque de patinação – não é legal;
Tipo isso (meme retirado da internet)
Tipo isso (meme retirado da internet)
  • Aliás, neve só é legal em filme e por uma semana quando você está de férias – viver sua vida por quase 6 meses rodeado de neve não é! Já até escrevi um post sobre os tipo de neve.

Eu não teria nenhum problema em continuar esta lista, mas vamos seguir em frente, acho que já ficou claro que eu detesto não gosto muito de frio. Mas e como lidar com um inverno tão rigoroso como o do norte da Finlândia?

A primeira coisa que você precisa saber é que os finlandeses têm um ditado por aqui: não está frio, você que não se vestiu direito. Há controvérsias, mas eles dizem que basta você se vestir adequadamente para a temperatura e ficará bem. Se isso é verdade ou não, de qualquer forma é importante usar roupas adequadas para a temperatura e sensação térmica (porque -20 sem vento não é igual a -20 ventando). Quando a temperatura está até 0 grau, eu não me visto muito diferente de como me vestiria no Brasil num dia bem frio. De -1 a -10, eu já visto a legging e camiseta térmicas por baixo da roupa e saio com protetor de orelha e luvas térmicas. Dependendo do vento, coloco uma segunda camadas de meias (grossas) e um fleece. A partir de -10, eu visto calças de inverno (que parecem calças de ski), coloco uma camada extra entre a camiseta térmica e o fleece, visto uma meia mais grossa, coloca luva de couro e por cima dela, luva térmica e cubro a cabeça com um gorro. Se vou pedalar, também uso um buff, uma espécie de cachecol que se coloca em volta do pescoço que corta o vento e ao mesmo tempo deixa a pele respirar – é extremamente útil, pois pedalar numa temperatura tão baixa sem proteger o rosto pode ressecar muito a pele e causar feridas em volta dos lábios.

Saindo para pedalar num dia que fazia -16 graus e sensação térmica de -26
Saindo para pedalar num dia que fazia -16 graus e sensação térmica de -26

O sapatos também devem ser apropriados, como botas de neve ou tênis mais grossos. É muito importante também usar muito hidratante e protetor labial e, além disso, tentar não lavar o rosto pouco antes de sair na rua, pois nossa pele tem uma oleosidade natural que a protege e se lavamos o rosto, ela se vai e ficamos mais vulneráveis aos efeitos do frio.

É importante proteger bem a cabeça, mãos e pés. A cabeça porque é por onde nosso corpo mais perde calor e os pés e mãos porque acabam sendo os mais prejudicados nessa história e sério, doem muito! Tanto luvas como calçados devem estar meio folgados para deixar o ar circular e aquecê-los. Sapatos muito justos acabam fazendo os pés perderem muito calor, por isso a recomendação é sempre comprar botas de inverno um número maior para poder usar meias grossas e deixar o pé confortável.

E claro que todo nesse ritual de virar uma cebola (as roupas formam várias camadas) a gente acaba levando uns 5 minutos para ficar pronto para sair e mais 5 para se despir quando chega em casa! Olha, morar num lugar frio como Oulu não é só a beleza de uma paisagem de inverno!

E minha melhor dica é: tá absurdamente frio? Você realmente precisa sair de casa? Se a resposta for não, não saia! Se precisar, tente ficar o menor tempo possível na rua.

E é assim que eu lido com o frio, que aqui nesse lado do mundo, fica só da porta da rua pra fora. 🙂

Sete meses em Oulu

Tenho a impressão que toda semana escrevo post de “mesversário” em Oulu! O tempo voa quando a gente está até o pescoço com coisas pra fazer, não é? Sete meses sem pão francês, canjica e bisnaguinha com requeijão.

  • Alunos e professores do meu mestrado se reuniram num frio e ensolarado sábado à tarde para prática de esportes de inverno. Se algum finlandês falar que vai esquiar, esqueça as montanhas e as descidas de ski! Aqui se pratica o cross country skiing, que nada mais é do que deslizar na neve em um lugar plano.
Tipo isso!
Tipo isso!

Eu não sou fã de ski, então fiquei descendo as montanhas de neve no sledge mesmo. 🙂

  • Fiquei 9 dias fora no Reino Unido aproveitando a winter week e foi muito bom para relaxar um pouco e esquecer um pouco do trabalho e do mestrado. Voltei mais cansada do que fui, claro, mas valeu cada minuto.
  • Já estou preparando a renovação do meu visto para o segundo ano de mestrado. O processo todo é muito parecido com a solicitação do primeiro visto, mas ao invés de ir na Embaixada, como já estou na Finlândia só precisarei comparecer na polícia com horário marcado e os documentos originais.
  • Eu muito exaltei o inverno finlandês aqui e aqui. E não é que não é mais lindo, mas eu não aguento mais ver branco e neve todo dia em todo lugar! Nem estes 9 dias fora sem neve foram suficientes para voltar a achar neve legal. Já vamos aí pra 4 meses ininterruptos de neve acumulada – só pra constar, reza a lenda que o inverno dura 3 meses.
  • E aí, este semana, quando todo mundo achava que a primavera ia engatar – uma semana inteira com temperaturas acima de 0, neve derretendo loucamente, partes de grama sendo avistadas, passarinhos cantando e o sol saindo todo dia – voltou a nevar na velocidade 5 e em 2 dois caiu uns 5cm.
That's the feeling! Retirado da página do Facebook do Funland
That’s the feeling! Retirado da página do Facebook do Funland
  • Uma noite eu estava no meu quarto, sentada no meu sofá usando meu laptop, como de costume. Senti meu sofá tremendo, ouvi a janela batendo e 5 segundos depois tudo se acalmou e eu achei que tivesse tido uma alucinação. Aí fiquei sabendo que não fui a única e descobri que vivi um terremoto! Calma, não tem terremoto na Finlândia, o que sentimos foi um reflexo de um terremoto de 4.1 na escala Richter que ocorreu a uns 100km daqui, na costa da Suécia. Quem diria?
  • Num domingo, quando supostamente a primavera começou (e fez -10 graus), eu estava no meu quarto e vejo pela janela dois meninos andando na rua vestidos de bruxa. Achei estranho, não é Halloween, né? E nem no Halloween eu vi isso, pra falar a verdade. Aí descobri tudo! Aqui há uma tradição que no domingo antes da Páscoa, crianças se vestem de bruxas para celebrar o início da primavera. Elas vão de porta em porta para “abençoar” a casa em troca de doces, meio parecido com Halloween mesmo. Interessante, não? Leia mais aqui, em inglês.
  • Eu engordei incríveis 4kg nestes 7 meses, a maior parte deles depois que o invernão começou. Aí entra uma série de fatores: eu fui de praticar kung fu e fazer muita caminhada no Brasil a uma vida sedentária – com a chegada do inverno, apesar de eu não parar de pedalar, eu só pedalo distâncias de no máximo até 2km com frequência, o que não conta muito. Eu passei a cozinhar por hobby e, bem, eu como tudo que faço. E, isso é dedução minha (se alum entendido ler isso e puder opinar, agradeço), acredito que meu metabolismo desacelerou para poupar energia por conta do inverno. O resultado eu vejo na balança. :/
  • Por conta disso, resolvi fazer dieta e voltar a praticar exercícios. Comecei a correr aproveitando aquela semana que a neve derreteu das vias e o asfalto voltou a ficar visível. Lembrando que é só eu sair do prédio e já posso sair correndo, porque Oulu é praticamente um parque com casas. Só que aí nevou de novo, cobriu tudo de neve de novo e eu estou esperando derreter pra voltar a correr. Sorte, me desejem sorte.
  • Ando tendo umas homesick. Nada sério, nada pra querer cortar os pulsos. Só que é nessas horas que eu vejo que adoro viajar, morar fora, conhecer lugares, pessoas e culturas diferentes, mas eu também acho um máximo voltar. E questiono se eu conseguiria, de fato, imigrar de vez.
  • Eu escrevi um guest post no Partiu Intercâmbio, um blog com muitas dicas de como morar fora em geral. Leia meu artigo aqui!

Força que desta vez o intercâmbio não dura só um ano! E para terminar, um vídeo mostrando o centro de Oulu. 🙂

 

O inverno mais lindo

Eu nunca escondi aqui no blog que eu não gosto de frio e que o que me conquista mesmo é um calorzinho. Aí muita gente queria saber porque eu resolvi vir justo pra Finlândia e como eu estava sobrevivendo aqui.

Aqui é frio, mas é suportável e tudo conspira para o inverno não traumatizar ninguém: ar seco, não venta, tem aquecimento em todo lugar e tem sauna! Se isso não bastasse para curar meu trauma de frio, as paisagens finlandesas no inverno são as coisas mais lindas e eu não me canso de admirar. Então vamos para o segundo post de fotos de inverno, porque um só é muito pouco para toda a beleza daqui!

O dia amanhecendo no meio da floresta em Ii, uma cidada a 40km de Oulu.

20160302_074414

A neve e o sol, uma combinação que não tem como não ser linda!

20160229_155529

E havia um jogo de xadrez aí.

20160229_120451

-11 graus, mas um cenário lindo. Está perdoado.

20160228_164644

E a neve continua acumulando em cima das bicicletas.

20160225_142916

E a beleza não some quando a noite chega.

20160224_203926

Um lago.

20160215_120155

Uma tempestade de neve. No lago.

20160214_151652

E o real significado da frase “mais branco que paisagem finlandesa no inverno”.

20160213_145039

Prédios na floresta.

20160212_131459

Um banco. A neve.

20160207_131142

Agora vocês entendem como eu vivo feliz num lugar frio como Oulu?! 🙂

Como é pedalar na neve?

Já comentei algumas vezes aqui no blog que meu meio de transporte em Oulu é a bicicleta. Aqui existe a cultura de pedalar, todo mundo tem bicicleta e pedala para todo lugar. A cidade conta com 800km de ciclovias e rotas de bike que te levam a qualquer lugar. É muito comum ver bicicletas com cadeirinhas de crianças, crianças indo para escola de bicicleta, bicicletas paradas em todo lugar.

Não acredita em mim? Assista os primeiros 1:20 do vídeo mostrando todos os lugares em Oulu por onde eu já pedalei (e assista até o final para ver como aqui é lindo).

Claro que a cidade não é tão grande assim e eu vou essencialmente para a universidade, que fica a 800 metros da minha casa (ai, gente, preguiça de andar) e para o centro da cidade, que fica a 6km de onde moro ou no mercado a 4km. Mas pedalar com clima bom qualquer um pedala, não é mesmo? Bem, nunca vi uma tempestade aqui, já que chuva em Oulu é o que em São Paulo a gente chama de garoa. Aqui não venta também, então chuva e vento não atrapalham, mas… e no inverno?! Como é pedalar na neve?

I want to ride my bycicle...
I want to ride my bicycle…

Quando cheguei aqui me falaram que era muito perigoso pedalar na neve e no inverno eu deveria pegar o ônibus. Mas eu não quis acreditar sem tentar e moral da história: eu continuo pedalando no inverno. Sim, eu já caí, derrapei e capotei algumas vezes. Não, eu não quebrei nenhum osso e nem me machuquei feio. Sim, eu incentivo as pessoas a tentarem pedalar também, com cuidado e sabendo seus limites.

As fases da neve

Antes de morar em Denver, no Colorado, eu achava que uma vez que a neve caiu, ela ficava acumulada o resto do inverno e era sempre branca, linda e fofa. Bem, a parte de acumular até o fim do inverno é verdade aqui em Oulu (está tudo branco desde o fim de novembro e a neve não derreteu completamente desde então), mas em Denver não, a temperatura era mais amena lá e ela derretia. A neve também não fica linda e fofa o tempo todo e isto é muito importante saber quando se pedala.

Quando a neve cai, ela é bem fofa, parece areia da praia. É ruim pedalar quando está assim porque conforme outras bicicletas vão passando, vão deixando marcas na neve e fica tudo meio esburacado, então, a bicicleta fica bem instável. Mas isso só é ruim se você vai pedalar assim que a neve caiu ou quando ainda está nevando, porque via de regra, tem sempre um caminhão passando em todas as vias para retirar o excesso de neve e deixar o caminho nivelado. Depois de alguns dias sem nevar, a neve fica “batida” e é como se você estivesse pedalando no asfalto mesmo, não é escorregadio. É a melhor época para andar de bicicleta no inverno.

É tipo assim
É tipo assim, mas pode ser bem pior se tiver nevado muito antes do caminhão passar

Apesar de ser inverno, alguns dias as temperaturas sobem um pouco e basta passar de 0 para a neve começar a derreter. O máximo que tivemos neste inverno até agora foi 4 graus e embora não seja suficiente para derreter toda a neve, mesmo que fique uma semana seguida assim (tem muita neve acumulada), é o suficiente para deixar a cidade uma “meleca”. A mistura de resto de neve com neve derretida pode ser um pouco escorregadia, mas ainda assim, tomando cuidado, é possível pedalar. O problema aqui é o mesmo de quando a neve acaba de cair: as bikes vão fazendo marcas na neve derretendo e isso pode desestabilizar a bicicleta. Quando isso acontece, ao invés de ter um caminhãozinho afastando a neve para os lados da rua, temos o caminhão que passa jogando cascalho na via para dar mais aderência e evitar acidentes.

Bendito seja o cascalho
Bendito seja o cascalho! Reparem que é gelo com água com neve com cascalho! Ufa!

Bom, pense agora que depois que esquentou um pouquinho, a temperatura volta a cair para abaixo de 0. O que acontece com aquela neve que virou água e acumulou nas ruas? Vira gelo! Gelo é o que tem nos rinques de patinação e as pessoas conseguem patinar porque escorrega… logo, esta é a fase mais perigosa de se pedalar no inverno. As vias ficam extremamente escorregadias e mesmo com o cascalho nem sempre é fácil pedalar. Quando fica assim, eu não me atrevo a sair de bicicleta! As ruas só voltam a ficar seguras quando neva novamente, a neve fofa volta a cobrir tudo e o ciclo se repete.

Acidentes acontecem

Porém, como contei logo no início, é claro que eu já caí algumas vezes e já tive imprevistos pedalando por conta da neve. Posso dizer que a maioria dos acidentes que tive foi mais falta de atenção minha do que a neve em si, ou seja, poderiam ter sido evitados – mas este é só meu primeiro inverno pedalando, ainda tenho muito a  aprender. Eu já caí porque:
– Fui arrumar a touca do casaco, me desequilibrei e derrapei num dia que a neve derretida estava virando gelo;
– Estava distraída, perdi a rua que ia virar a esquerda e quando tentei virar em cima da hora, me desequilibrei e caí num monte de neve;
– Estava saindo de um túnel, portanto numa ladeira subindo, e a neve estava irregular por conta das marcas de pneu de bicicleta. Novamente me desequilibrei, perdi o controle da bicicleta e acertei os 50cm de neve acumulada no canto da via – nem caí, porque a neve parou a bicicleta.

Isto para citar alguns exemplos. Além disso, já fiquei na mão num dia que fui ao centro da cidade, acumulou neve entre o pneu frontal e a proteção que fica em cima dele. No tempo que a bicicleta ficou parada para eu fazer o que precisava, a neve virou gelo e travou meu pneu. Lá fiquei eu, debaixo de neve e em temperatura negativa, usando minha corrente-cadeado pra tentar tirar a neve acumulada e voltar para casa.

E se você acha que sou um dos poucos seres que se atreve a pedalar nestas condições, leia este artigo aqui  (em inglês) e veja que somos muitos!

Roupas para pedalar

Bem, está frio e é claro que você precisa se proteger. Eu diria que até -10 não é necessário nenhuma roupa especial, especialmente porque pedalar aquece o corpo e se você vestir muitas camadas, vai assar! Eu uso as mesmas roupas que usaria para andar: calça térmica, jeans, camiseta, suéter e casaco. O ideal é que a primeira camada não seja de algodão, pois até -10 você transpira sim e o algodão absorve o suor, fica encharcado e rouba o calor do seu corpo. Luvas boas e touca ou protetor de orelha são essenciais! Se a temperatura estiver entre -11 e -20, eu coloco calça de inverno, tipo aquelas de ir esquiar, e uma camada extra – e não dá para transpirar nessa temperatura! Se estiver menos que -20, simplesmente não dá para tentar pedalar por muito tempo, pois por mais agasalhado que você esteja, seu rosto estará descoberto e vou te contar uma coisa: DÓI.

Tenho certeza que a bicicleta fará sempre parte das minhas lembranças de Oulu e daqui alguns anos vou dizer contando vantagem que “quando eu morava em Oulu, eu andava de bicicleta na neve”! 😉

Ahhh o inverno!

Há não muito tempo fiz um post apenas com fotos da gracinha de outono finlandês. Apesar de os dois últimos posts denigrirem não motivarem ninguém a vir conhecer Oulu no inverno, é inegável que a cidade fica linda, especialmente logo depois da neve cair e tudo ficar branquinho. Embora talvez seja um pouco cedo para postar fotos – o inverno, oficialmente, começou há menos de um mês -, Oulu já mostrou sua graça e já tenho uma coleção de fotos bacanas (que seriam  melhores se eu soubesse fotografar direito). E, se necessário, escrevo o post II com mais fotos futuramente. 😉

A primeira neve de verdade, que caiu, ficou e deixou tudo branco, aconteceu no fim de novembro. Eu estava no centro da cidade e a paisagem estava linda.

Uma foto poética
Uma foto poética

A neve deixa tudo mais bonito, mas quando ela pinta os pinheiros de branco também, ah, aí é mais do que lindo!

pinheiro branco
O caminho de pinheiros que leva a universidade

E os galhos, então? Secos, mas cobertos de neve?

20151211_121021
Esta foi uma tentativa de focar o primeiro plano, mas não deu certo.

A primeira vez que vi o lago congelado. A paisagem quase toda alva.

As árvores encontrando o lago congelado
As árvores encontrando o lago congelado

E talvez seja uma boa ideia guardar a bicicleta em um abrigo. 😉

Vamos pedalar?
Vamos pedalar?

Neve nos cantos, um belo caminho e um sol espetacular. Se esquentasse, então, seria sensacional! haha…

Aurinko (sol em finlandês)
Aurinko (sol em finlandês)

Anjinho na neve, quem nunca?

Anjinho no lago congelado
Anjinho no lago congelado

E o lago congelado encontra o rio gelado.

Bucólico?
Bucólico?

E pedalar na neve?

Sem capacete: vida loka!
Sem capacete: vida loka!

E a calmaria de um lago congelado com um por-do-sol?

Perdi o fôlego!
Perdi o fôlego!

E escrever na neve acumulada no lago congelado? Pode.

Gosto tanto dessa palavra que...
Gosto tanto desta palavra que…

Patinar no gelo? Oulu ganha dezenas de rinks ao ar livre.

Como se eu soubesse...
Como se eu soubesse…

E se não está fácil pra uma estátua, imagine pra quem é de carne, osso e sente frio?

No centro da cidade
No centro da cidade

Oulu, uma cidade gracinha.

Galhos, neve, prédio
Galhos, neve, prédio

As cores do céu encantam tanto quando o branco do chão.

Colorido
Colorido

Por aqui, até o mar congela. Oulu é banhada pelo Mar Báltico.

frozen sea
Frozen

Poxa, inverno, não precisa apelar!

-25!
-25!

E até o momento, no dia mais frio tivemos -28 graus! Até então, meu record tinha sido -27 quando morava no Colorado, nos EUA. Obrigada, Oulu, por ter batido o record sqn. 🙂