Londres III

Dia 3

Viajar não é só alegria, você se cansa e muito! Havíamos caminhado praticamente nos dois últimos dias inteiros e foi muito cansativo aguardar os fogos próximo ao Big Ben.

Dormimos até mais tarde, fizemos check-out e saímos de mochila para terminar nossa viagem. Fomos a Tower Bridge, um dos cartões postais mais famosos da cidade, passamos pela Tower of London e seguimos andando beirando o Rio Tâmisa.

Tower of London contra o sol
Tower of London contra o sol

Paramos para ver as exposições gratuitas do Tate Modern, o museu de arte moderna e contemporânea de Londres.

Tate Modern
Tate Modern

Mais algumas voltas e fotos e seguimos para o terminal rodoviário para pegar o ônibus de volta a Dublin.

DSC01139
Dia ensolarado na capital inglesa…
DSC01141
Quem lembra deste prédio no filme Match Point?
Cansada demais para patinar...
Cansada demais para patinar…
Shakespeare's Globe
Shakespeare’s Globe
DSC01196
Quer cookie? – St. James Park
DSC01181
Bela paisagem, não?
London Eye
London Eye

Conclusão

Quando fui a Londres pela primeira vez fiquei simplesmente deslumbrada! Amei a cidade e me deu até vontade de morar na capital inglesa, mas desta vez não me senti assim. A cidade estava muito cheia, agitada, movimentada demais e não gostei disso! Claro que sei que estava assim por causa do fim do ano, mas de qualquer forma, não tive o mesmo deslumbre. Moro em Dublin, que apesar de receber turistas o tempo todo, não deixa de ser uma cidade relativamente pequena e prefiro assim. Lembro que estava morando em Denver há quase 2 meses quando me mudei temporariamente com a hostfamily para New York. Saí de uma cidade de 500 mil habitantes para a loucura nova-iorquina e lembro bem como fiquei assustada ao ver toda a movimentação quando saí do terminal rodoviário. Eh, eu sei, falando assim nem parece que nasci e cresci em São Paulo…

Talvez a falta de deslumbre seja consequência da falta de “novidade”. Já sabia como era a cidade e a impressão da primeira viagem era muito boa.

Dicas

Para terminar, algumas dicas para quem pretende ir para a terra da rainha! 🙂

– Se for de avião, lembre-se de que todos os aeroportos são bem afastados da cidade. No caso de quem vai de Ryanair, às vezes o transporte até a cidade pode sair mais caro do que a passagem aérea, já que a empresa utiliza os aeroportos mais afastados.

– É muito fácil se locomover na cidade, já que há estações de metrô por toda parte. Sempre que possível, tente utilizar ônibus. Além de viajar nos famosos ônibus vermelhos de dois andares, a tarifa é barata.

– Se se hospedar em um lugar que fique no centro, poderá fazer vários passeios a pé. Eu acho melhor, pois assim dá para sentir melhor a cidade. Caso precise usar muito o transporte público, há duas opções: comprar um ticket válido por um dia inteiro por 7 libras ou comprar um Oyster Card. Utilizei o último das duas vezes que fui à cidade e funciona como uma espécie de bilhete único. A vantagem é que as tarifas são menores para quem usa o cartão ao invés do comprar tickets comuns. Você paga um depósito de 5 libras ao comprá-lo e carrega o valor que quiser. Uma dica é calcular a quantia mínima necessária que vai usar, pois ao devolver o Oyster Card, além das 5 libras do depósito, você recebe o saldo que sobrou, desde que ele não ultrapasse 10 libras, incluindo o depósito.

– Também tem o London Pass, que inclui quase todas as atrações da cidade, exceto o London Eye e o Madame Tussauds, o museu de cera. Neste caso, recomendo fazer uma lista das atrações que deseja visitar e calcular se compensa pagar separadamente ou compra o pass.

Até a próxima viagem (que será em breve)!

Londres I

Comecei o ano viajando e espero que isso seja um sinal de que o ano será muito bom! 😉

Minha primeira viagem deste intercâmbio foi para uma cidade que já conhecia. Eu não tinha planos de repetir figurinha, mas fui convencida a ir pelo namorado argumentando que eu nunca havia passado o ano novo em Londres vendo os fogos do Big Ben. Fato.

Planejamento

Eu detesto planejar viagem! Pesquisar preço, hostels, transporte público, atrações… é chato demais!  E desta vez foi pior, porque decidimos fazer a viagem menos de 3 semanas antes, ou seja, estava tudo muito caro e havia poucas vagas disponíveis em hostels, já que fim de ano é alta temporada.

Não conseguimos reservar as duas noites no mesmo hostel, o que foi bem chato. O primeiro hostel que ficamos era bem localizado, ao lado do The British Museum. Era um lugar bem tranquilo com cara de hotel, e estava tudo incluso: internet, café-da-manhã etc. O segundo, além de ser afastado de tudo, cobrava 5 libras para usar o wifi por 24h e mais 5 para tomar café-da-manhã. Quase perguntei quantos eles cobravam para respirar. O interessante é que pagamos o mesmo valor nos dois lugares.

A Ryanair é uma famosa companhia aérea de baixo custo e uma passagem Dublin-Londres pode custar tão pouco quanto 22 euros, porém para o dia que queríamos estava muita cara, então resolvemos ir para a terra da rainha de uma forma mais barata alternativa: ônibus! Aí você me pergunta como eu fui para Londres de ônibus se a Irlanda é uma ilha.

A viagem

Pegamos o ônibus no terminal, o Busaras. Cerca de 15 minutos depois, chegamos ao porto de Dublin e seguimos viagem de navio! Foram 3h no mar e minha experiência não foi muito legal, já que meu estômago ficou bem embrulhado. No total, a viagem dura de 11 a 12 horas e apesar de o ônibus ser bem novo, a poltronas reclinavam muito pouco e o espaço para as pernas era ridículo (e olha que sou baixinha!). Mas considerando a época do ano, valeu a pena.

A imigração

Tive um dos momentos mais tensos da minha vida quando fui a Inglaterra pela primeira vez. O oficial da imigração só faltou perguntar a cor da minha calcinha antes de me dar o carimbo no passaporte. O trauma foi curado nesta viagem. O navio chegou no País de Gales e quando descemos do navio só precisamos mostrar o passaporte ao oficial, que nada mais faz do que conferir a validade e checar se aquela cara feia na foto do passaporte é sua mesmo. Só isso. E quando finalmente chegamos no terminal rodoviário de Londres, nem imigração eu vi. 🙂 O ruim é que não tenho nenhum carimbo no meu passaporte desta vez.

Dia 1

Não havia grandes planos para esta viagem, então fizemos aqueles passeios básicos de turista. A primeira coisa foi ir ao Palácio de Buckingham ver a troca da guarda. É extremamente chato, mas para quem nunca foi a Londres, é um passeio obrigatório. E por que é chato? Porque você precisa chegar cerca de 30 minutos antes para conseguir um bom lugar, o “ritual” todo dura outros 30 minutos e enfim, é chato!

Palácio de Buckingham ao fundo
Palácio de Buckingham ao fundo
Uniforme de Inverno
Uniforme de Inverno

Bem próximo ao palácio ficam o Big Ben, a Westminster Abbey e o London Eye e fomos para lá. Eu até queria entrar na abadia onde reis e rainhas são coroados, mas não estava disposta a pagar 16 libras para isso e se eu nunca tivesse ido ao London Eye, com certeza teria feito o passeio, mas como eu já fui e meu namorado não fazia questão, pensei “por que gastar 18 libras?”. De qualquer forma, recomendo as visitas. Ir a Londres e não fazer estes passeios é como não ter ido.

Uma bela visão do Big Ben no inverno londrino
Uma bela visão do Big Ben no inverno londrino

Fomos, então, a Picadilly Circus. Fizemos umas comprinhas, conhecemos mais da cidade a pé e voltamos bem cedo para o hostel, porque além do cansaço normal de passar um dia todo andando, a última noite no ônibus/navio não foi uma das mais bem dormidas e precisávamos descansar. 🙂

Picadilly Circus
Picadilly Circus

[continua]