Os países bálticos

Este post é um wrap-up da viagem aos países bálticos, já que os três países têm muitas coisas em comum e achei que seria interessante reuni-las em uma postagem só.

A região onde hoje ficam a Estônia, Letônia e Lituânia já fez parte de alguns outros estados até que foi completamente conquistada pelo Império Russo e depois se tornaram independentes em 1920. O período independente nãos durou muito e em 1940 a União Soviética reanexou os 3 países que só voltaram a ser estados independentes novamente em 1991. Atualmente, a população é de cerca de 6.7 milhões de pessoas, sendo que quase a metade está na Lituânia.

Os 3 já estão na zona do euro (Estônia desde 2011, Letônia desde 2014 e Lituânia desde 2015), o que facilita viajar aos países como turista, mas segundo os locais, isso fez os preços aumentarem muito. Eu não achei os bálticos absurdamente baratos, mas com certeza são muito mais baratos que outras regiões da Europa (especialmente se a comparação for feita com os nórdicos).

Tallinn, Estônia
Tallinn, Estônia

Curiosidades

  • Eu já estava bem acostumada a arredondar o troco como fazemos no Brasil, pois na Finlândia não circulam moedas de 1 e 2 centavos de euro. Num supermercado, ao fazer o pagamento em dinheiro e arredondar para menos, me deparei com a funcionária ainda me olhando com cara de paisagem. Não se arredonda o troco por lá!
  • Aliás, não se entrega o dinheiro diretamente ao funcionário do caixa e nem dele ao consumidor. Você coloca o dinheiro num suporte de vidro, o funcionário pega e devolve o troco lá também.
  • Talvez por terem feito parte da União Soviética, há muitos russos morando na região. Na Estônia, por exemplo, quase 1/4 da população é de origem russa e em Riga, praticamente em todo lugar há tradução em russo.
  • Assim como na Finlândia, boa parte da população tem boa fluência em inglês.
  • Um detalhe que não passou despercebido aos meus olhos é que vi muitas mulheres trabalhando como motoristas de ônibus, especialmente em Vilnius.
  • Na Letônia, a bebida típica é o Black Balsam. É uma bebida feita a partir de ervas e misturada com vodka. Eu achei interessante e entrei numa das muitas lojas de bebiba alcoolica que tem pela cidade e acabei comprando 3 garrafinhas pequenas da bebida, mas cada uma com sua especificidade. A vendedora me explicou que uma delas, a original, é usada como um “tônico”, pois dizem fazer bem ao estômago e que, tradicionalmente, algumas pessoas tomam 50ml por dia misturado em chás ou sucos. A segunda versão, que é mais forte, é indicada para se socializar e a terceira, que é mais suave um pouco, seria para “equilibrar a alma”. Assim, as 3 bebidas juntas fariam bem ao corpo (a original), a alma (a mais suave) e  a mente (a mais forte). Eu experimentei a bebida e é bem forte!
  • Em todas as capitais ouvi dos guias do walking tour que o país em questão detinha o primeiro lugar em internet rápida e acesso à rede. Todos se gabaram de terem wifi em todo lugar, serem um país high tech e internet mega rápida. Minha experiência? No hostel em Tallinn a internet mal funcionava e o wifi da rua era apenas normal. Em Riga e Vilnius, internet completamente ok. Voltei sem entender.

Dicas

  • Se você viaja on a budget como eu (acho que eu nem sei mais o que é viajar sem estar com o dinheiro contado… haha), uma ótima dica é começar o dia comprando seu café da manhã no mercado. Os mais comuns nos países são o Rimi e o Iki. Em praticamente todos eles você pode comprar salgados, como croissant, e máquinas de café que você pode comprar para levar. Em Tallinn, por exemplo, o RIMI até tinha promoção de café-da-manhã: uma bebida quente de sua preferência (café, chocolate quente, chá etc) e um croissant recheado por 1.80 euros.
  • Em todos os lugares que visitei aceitaram meu cartão de estudante, com exceção do Museu da KGB em Vilnius. Muitos países da Europa costumam aceitar apenas a carteirinha da ISIC (que eu não tenho), mas apenas com minha carteirinha da Finlândia eles aceitaram. Acho possível que também aceitem carteirinhas do Brasil.
  • Quando eu me hospedo em hostel, costumo começar a seleção partindo do preço e localização. Como as 3 capitais são relativamente pequenas, vale a pena pegar um hostel um pouco mais em conta que não esteja exatamente no centro da cidade. Em Riga, o hostel que me hospedei pro 7 euros/diária, não ficava no centrão, mas ficava a pouco menos de 1.5km de lá – uma distância muito tranquila de caminhar para mim.

Eu acho que não teria viajado aos 3 países bálticos se não estivesse morando na Finlândia, já que sua localização não é tão central na Europa. Para mim valeu muito a pena e foi uma viagem muito barata, pois pude fazer tudo de ônibus e balsa pagando bem pouco pelas passagens (o mais caro foi a balsa, 19 euros cada trecho). Não é nada barato viajar pela Europa quando você mora no norte da Finlândia! A quem se aventurar pela região, recomendo tentar passar pelos 3 países e talvez escolher uma época do ano “menos ruim”, pois o tempo cinza e frio me desanimou um pouco em alguns dias. No fim, mais uma “viagem para a coleção”. 🙂

Vilnius, Lituânia
Vilnius, Lituânia

Um dia ensolarado em Vilnius

Finalmente no último dia da viagem aos bálticos saiu um solzinho! E a vida com um belo sol no céu faz toda a diferença, pelo menos pra mim faz – meu humor fica melhor, me sinto mais disposta e feliz. Talvez seja por isso que eu não era assim tão fã de Dublin… 🙂

Meu joelho direito ainda estava tentando me imobilizar de dor, mas eu sou bem teimosa e segui meu roteiro normalmente (e me enchendo de dipirona e tylenol, porque era o que eu tinha de analgésico). Comecei o dia visitando o Museu do Holocausto, que apesar de pequeno é cheio de informação e no fim da visita ainda podemos visitar o sótão, onde o museu recriou todo o ambiente onde os judeus se escondiam antes de tentar fugir e o que mais me chamou a atenção é que não havia aquecimento no local e mesmo ainda sendo outubro, já estava bem frio, então imagine o que passavam as pessoas que precisavam se refugiar nestes lugares nos meses de inverno e ficavam dias nessas condições.

O museu
O museu

Também passei pela única sinagoga da cidade, a Choral, que mesmo sendo uma atração turística, não impressiona por dentro. Até me deu medo de entrar e ver aquela sinagoga vazia! Continuei seguindo andando pela rua principal da cidade, a Gediminas, onde parei numa farmácia para comprar Ibuprofeno (que também é antiinflamatório) para ver se dava um jeito no joelho – não estava fácil! Na avenida também ficam o correio central e o Teatro Nacional da Lituânia, que tem essa fachada bem interessante:

dscf5954

No fim (ou começo?) da avenida fica a Catedral de Vilnius e a Bell Tower. A entrada é gratuita na catedral, mas paga na torre e como eu já tinha planos de subir em outra torre, decidi não entrar na Bell Tower. A praça onde ficam a catedral e a torre é enorme e pelo que notei, é um ponto de encontro de locais.

dscf5956

Próximo a torre, no chão, tem um quadrado especial do piso que é “mágico”: dizem que se você fizer um pedido e girar três vezes pisando em cima deste quadrado, seu desejo será realizado! Mas preste atenção no piso, porque senão não é difícil passar por ele sem perceber.

dscf5964

De lá segui para a Torre Gediminas, que fica numa colina. Havia uma placa indicando um “bondinho” para quem não quisesse subir a pé, mas a placa dizia que ficava a 500 metros dali e eu pensei “quem anda 500 metros pra pegar um bonde, sobe a colina” e lá fui eu na velocidade de uma tartaruga manca subindo até o topo.

dscf5981

A subida a pé compensa pela vista da cidade: de um lado vemos o centro histórico e a parte turística, e do outro a parte mais moderna, com prédios e mais prédios bem modernos. A torre é o que sobrou onde antes ficava o castelo de Vilnius e a entrada custa 5 euros ou 2,50 para estudantes. Eu resolvi entrar, mas tendo que subir escadas. Subi por onde a guia me indicou e cheguei num saguão com algumas maquetes e não vi mais escada para continuar subindo… não estava acreditando que havia desembolsado alguns euros para ver meia dúzia de maquetes! Voltei por onde vim e aí percebi que havia outra escada para continuar a visita. Já estava me sentindo bem trouxa! haha… Nos outros andares há exposições e podemos subir até a cobertura, de onde a visão é realmente maravilhosa.

De um lado do rio a parte histórica e do outro, a moderna
De um lado do rio a parte histórica e do outro, a moderna

Em seguida, aproveitando o belo dia de sol, cruzei o parque Bernardine e fiquei lá um pouco apreciando o momento. De lá segui para a igreja St. Anne, que apesar de bem bonita por fora, por dentro fica devendo: está mal conservada e nada tem a ver com a beleza exterior.

dscf6024

De lá, como era caminho, passei pela República de Uzupis novamente e fui para o Bastião de Vilnius. Subi a colina, mas não entrei no museu e não é uma atração extremamente necessária na cidade, só vá se estiver com tempo. Passei, então, pela Universidade de Vilnius e ali ao lado, onde fica o parlamento, estava acontecendo algum evento, pois os guardas estavam fazendo uma espécie de “troca da guarda”.

A última atração antes de seguir para o Palácio do Grão-Duque foi a Literature Street, uma rua bem famosinha na cidade por ter vários azulejos nos muros com trechos de livros de autores locais.

dscf6065

O Palácio ficou por último porque ele fecha às 20h às quintas-feiras, dia da semana que estava lá, e achei melhor aproveitar o dia de sol na rua e somente quando anoiteceu fui visitá-lo. O ticket custa 3 euros para adultos e 1,50 para estudantes. É um museu que conta desde a história do castelo que lá ficava até perto dos dias atuais, passando pelas gerações das famílias lituânias que reinaram no país através dos tempos. O museu estava bem vazio, aliás, eu vi  só mais 2 ou 3 pessoas enquanto visitava o local, que eu recomendo.

O palácio
O palácio

E para encerrar a visita fui a um dos restaurantes mais famosos da cidade, o Forto Dvaras. Quando eu comecei a viajar, pouco ligava para a comida local e comia qualquer porcaria barata que via na rua (ai, jovens! haha), mas nas últimas viagens sempre tenho tentado fazer pelo menos uma refeição num restaurante bacana e comendo algo local – não precisa ser chique, só precisa ser algo que os locais costumam comer. Eu já havia experimentado o cepelinai no dia anterior, mas este restaurante era mais bonitinho, então achei que valeria a pena. Eu pedi o mesmo prato, mas como já havia experimentando com cheio de carne, desta vez pedi com recheio de coalho e molho de queijo e para acompanhar, uma taça de vinho de blackcurrant, típico da região.

Nhom nhom
Nhom nhom

O mais impressionante é que isso custou 6,50 euros! Sim, eu jantei num restaurante bacana pedindo um prato típico e vinho e só paguei isso! Claro que havia pratos mais caros, especialmente os que tinham carne, mas para comer cepelinai o preço é esse. Estava delicioso e foi uma experiência interessante, pois foi a primeira vez que eu fui sozinha a um restaurante legal – me senti um pouco forever alone, mas como eu me sinto muito confortável sozinha, logo passou. 🙂

Voltei para o hostel, peguei a mochila e segui para a rodoviária para pegar meu ônibus de volta a Tallinn – 8 horas de viagem – e pegar a balsa para Helsinki. 😉

Vilnius, capital da Lituânia

Cheguei na última capital báltica por volta das 22h. A princípio, havia escolhido um hostel na rua principal da cidade, mas por receio de ir a pé sozinha até lá (1.5km) ou mesmo de pegar um táxi e ser enganada por ser turista, acabei mudando para um outro hostel a apenas 400 metros da rodoviária. Foi fácil chegar lá, mas meio difícil entrar! Fiquei no B&B&B&B&B (sim, é este o nome) e quando finalmente achei a entrada muito mal sinalizada (não sei quem teve a ideia de colar um cartaz bem frente ao nome do hostel), fiquei uns 10 minutos tocando a campainha e nada de alguém atender. Foi quando decidi entrar no que me pareceu ser um restaurante ao lado e descobrir que 1- não era um restaurante, era um bar/balada e 2- fazia parte do hostel, pois o funcionário que me atendeu me indicou a escada para ir a recepção. Fiz o check-in, olhei os mapas para decidir o que faria no dia seguinte e fui dormir.

No dia seguinte, fui andando calmamente até o ponto de encontro do walking tour. O guia era um jornalista que falava muito, mas muito rápido! Logo no começo do tour passamos por onde foi um gueto judeu e hoje, além de casas, tem uma escola construída na época da União Soviética.

A escola
A escola

A parte mais interessante do tour é a visita a República de Uzupis. Uzupis é uma região independente da Lituânia e o nome significa literalmente “do outro lado rio”, pois é necessário cruzar uma ponte para se chegar lá. Tudo começou em 1997 quando um grupo de artistas resolveu revitalizar a área que, até então, era ocupada por moradores de rua e prostitutas. Eles se declararam independentes e o governo do país meio que falou “tá, beleza” e hoje eles têm bandeira, hino, presidente e parlamento (que é o bar que fica logo depois da ponte).

dscf5916

No tal parlamento, você pode entrar e pedir que carimbem seu passaporte como se estivesse mesmo entrando num país e passando pela imigração. O interessante é que eles também têm uma constituição que está traduzida em várias língua (mas não em português ainda) e eu achei que vários destes itens, na verdade, podem ser seguidos para vida. Olhem só:

uzopis

O tour seguiu e no fim um brasileiro que também estava no tour e fez amizade comigo e eu pedimos dicas de onde almoçar na cidade por um preço camarada, mas comendo algo típico. O guia nos indicou o restaurante/bar Snekutis (Š,v. Mikalojaus g. 15). Lá eu pedi o prato mais típico do país, o cepelinai, que é uma massa de batata recheada com carne. Aí você pode pensar “ah, então é tipo uma coxinha?” Não, porque a batata fica com uma textura muito diferente, meio pegajosa e, aparentemente, o prato é assado. Pedi também uma panqueca recheada de queijo para acompanhar.

Cepelinai
Cepelinai

Paguei pouco menos de 4 euros e olha, era muita comida! O cepilinai (foto) é relativamente grande e como é basicamente batata, já dá aquela “enchida” e eu ainda pedi uma panqueca – que estava meio gordurosa, mas a vida segue – e confesso que depois deste banquete, eu só fui sentir fome bem tarde da noite!

Após o almoço, o brasileiro seguiu seu caminho e eu o meu e fui ao Museu das Vítimas do Genocídio. A entrada custa 4 euros e é bom ir com umas 2 horas para a visitação, pois é bastante coisa, apesar de não parecer. São dois andares de museu e no subsolo é possível visitar as celas e como eu estava sozinha (havia outras pessoas no museu, claro, mas eu não estava acompanhada), confesso que deu um frio na espinha e um medinho quando fui na área das execuções.

20161026_173618

Do museu fui até onde é o parlamento lituano, mas sem grandes emoções – é apenas um prédio comunzão! Passei em frente a uma biblioteca maravilhosa, mas não entrei porque não sabia se ainda estava aberta pelo horário (era mais de 18h) e não queria subir a imensa escadaria que havia em frente para descobrir (meu joelho direito ainda estava tentando me matar e subir escada não era assim um sonho).

A biblioteca
A biblioteca

No caminho de volta ao hostel eu quis ir no que agora está virando “moda” na Europa: cat café. São cafés que têm como diferencial um monte de gatíneos lindos andando livremente pelo estabelecimento e você brincar com eles, passar a mão, alimentá-los (se comprar a ração), enfim, uma experiência para aqueles que são louco por gatos.

20161026_184229

O local é bem bonitinho e é necessário colocar protetor de calçado e levar as mãos ao entrar. Há avisos sobre como se portar no local – lavar as mãos antes e depois de brincar com os gatos, não pegá-los no colo ou acordá-los e enfim, respeitar os animais. O que achei bem ruim é que o local exige consumação mínima por pessoa (3 euros) e é bem caro para os padrões locais. É claro que 3 euros na Finlândia é insignificante – você consegue comprar uma casquinha com esse valor – mas se vocês pensaram que eu almocei (e muito bem) por menos de 4 euros, esse valor chega a ser abusivo no local. Claro que eu entendo que eles não querem virar uma atração onde as pessoas vão para ver os gatos, pedem uma água e vão embora, mas 3 euros é realmente absurdo para o país. Como fui obrigada, acabei pedindo um milkshake, e tomei empurrando porque eu ainda estava super cheia do meu almoço.

20161026_185003

Depois de muito enrolar, pois estava muito cansada e bem longe do hostel, fui embora. Passei no mercado para comprar coisinhas para o café e segui para o hostel. Aliás, o B&B&B&B&B tem uma decoração bem clean, o local é super limpo e organizado, os quartos são enormes, bem decorados e não os enchem de camas para dar lotação máxima. Por outro lado, saiba você que se pretende dormir à noite talvez não seja uma boa ideia se hospedar lá no final de semana – eu cheguei numa terça à noite e fui embora na quinta à noite – dormi super bem, mas na quinta já estava rolando um “pancadão” na balada e dava para ouvir dos quartos, além do que me desagradou muito que o povo da balada tinha acesso livre ao hostel para usar o banheiro – sim, o banheiro dos hóspedes.

Quarto feminino
Quarto feminino

Segui para meu quarto feminino de 6 camas que custou 10 euros/noite e descansei bem para o último dia de viagem nos bálticos.

Viagem aos Países Bálticos – uma introdução

Na Europa, o calendário escolar é um pouco diferente do do Brasil e sempre tem uma semana de férias em cada semestre. A de outubro é conhecida como Fall Break e a de março, Spring Break na Europa toda, menos na Finlândia, que é Winter Break (e isso diz muito sobre o inverno daqui, não é?).

No ano passado não viajei no meu Fall Break por alguns motivos: eu havia acabado de chegar na Finlândia, era muita informação rolando o tempo todo e eu não tinha cabeça para planejar uma viagem (o break é em outubro, mas teria que ter planejado pelo menos um mês antes). O euro estava absurdamente alto, chegando a quase 4,60 na época, eu ainda estava com receio de não ter fundos suficientes para morar quase 2 anos na Europa com economias do Brasil e com certeza fazer uma viagem logo de cara não iria ajudar, além de que não havia nenhuma expectativa de fazer “uma grana extra” aqui na época, mesmo eu tendo direito a trabalhar meio período com meu visto. E, por último, e menos importante mesmo, os professores nos lembram o tempo todo que estas duas semanas de break do ano não são férias, são duas semanas “sem aulas presenciais” e que a ideia é que estudemos sozinhos. Ahan.

Mas este ano já voltei para a Finlândia com a ideia na cabeça de conhecer os três Países Bálticos: Estônia, Letônia e Lituânia. “Mas que diferente, por que você quis conhecer estes países?”, você deve estar se perguntando. Eu estou na Finlândia, que sim, faz parte da Europa, mas não está assim exatamente bem localizada. Se você não sabe muito bem onde fica o país ou não tem muita noção como fica situada na Europa, o mapa abaixo dá uma luz:

238819030_ff0d62fbc4

Ou seja, o país só faz fronteira com Noruega e Suécia no lado europeu e o Mar Báltico separa os países nórdicos do resto da Europa. Eu diria que pior que estar na Finlândia, só mesmo a Islândia, que é uma ilha lá em cima. E quais são as implicâncias desta localização quando se pensa em viajar? Se quando eu morava em Dublin, qualquer voo barato da Ryanair me levava para quase qualquer lugar da Europa, a realidade não é a mesma morando em Oulu. Primeiro, tem a parte que eu moro em Oulu, que fica a 600km de Helsinki e qualquer viagem de avião daqui até a capital é mais cara que muito voo da Ryanair de um país a outro. A opção mais barata é ir de ônibus e encarar 8 horas de viagem. Superado isso e chegando a capital, a Ryanair não voa para Finlândia o ano todo! Aliás,  voa apenas de maio a setembro, saindo apenas de Tampere (que fica a umas 2 horas de Helsinki) e apenas para Budapeste e algum lugar da Alemanha. Tem a Norwegian, a low cost local, mas estamos falando de Escandinávia e low cost neste contexto não significa muito barato, apenas mais barato um pouco que o restante das companhias áreas. Para vocês terem uma noção, o lugar mais em conta para ir a partir daqui e saindo da região da Escandinávia, é Londres – e com alguma antecedência você consegue ida e volta por 110 euros. E eu achava caro pagar 50 euros quando viajava de Ryanair!

Saudades Ryanair
Saudades Ryanair

E toda essa explicação pra que? Para deixar claro que estar na Europa, mas na Finlândia, em termos de facilidade em viajar, não é a mesma coisa de estar na Irlanda, por exemplo. Se você tem dinheiro e o céu é o limite, aí tudo bem, mas este não é meu caso, portanto, qualquer viagem precisa ser bem planejada e pensada para “minimizar custos”. Um final de semana em outro país não é exatamente o que todo mundo faz por aqui, simplesmente porque não é economicamente viável.

Pensando em tudo isso e na proximidade dos Países Bálticos, achei que era o momento certo de ir viajar. Estou bem mais tranquila financeiramente no momento, o mestrado ainda exige muito, mas a situação está sob controle (está?) e todos sabem que esta história de ser uma semana para estudos individuais é balela! 🙂

Além disso, chegar aos Países Bálticos a partir de Oulu não é tão caro e, apesar de os preços terem subido desde que os 3 aderiram ao euro, Estônia, Letônia e Lituânica ainda são relativamente baratos. Soma-se a isso que o destino não é o mais comum para os brasileiros que vem a Europa, já que quem vem prefere conhecer países mais “populares”, como França, Inglaterra ou Itália, e também por sua localização. Unindo o útil ao agradável – perto da Finlândia, relativamente barato e uma parte da Europa que ainda não conheci – resolvi por a mochila nas costas novamente e adicionar outros 3 países a minha listinha. 😉