Coisas que não recomendo

O tema original do desafio dessa semana era “Superpoderes que gostaria de ter”. Bem, como não vi de que forma eu poderia relacionar isso com a Irlanda, troquei por uma sugestão feita pela Cely nos comentários da primeira semana do desafio.

Semana 6 – Coisas que não recomendo

Eh, gente, eu sei! Difícil acreditar, mas Dublin tem seu lado ruim! Tá, eu sei que você ficou surpreso e isso é um choque de realidade, mas vamos a minha lista de “não recomendações”.

1 – Fazer compras na Carrolls

A Carrolls é uma rede de souvenirs e tem uma loja em cada esquina no centro. Ao mesmo tempo em que posso dizer que lá tem milhares de opções e que tudo lá, normalmente, é de boa qualidade, também digo que a loja é extremamente cara e que vale a pena visitar lojas menores do centro, onde você também pode achar souvenirs bacanas e com um preço melhor. Só depois de garimpar essas lojinhas, vá a Carrolls.

2 – Ir do aeroporto até o centro da cidade de táxi

Se você não estiver carregado de malas ou mesmo que esteja, se tiver alguém pra te ajudar no trajeto a pé até sua acomodação, vá para o centro de ônibus. O táxi vai custar em torno de 35 euros, o ônibus, no máximo 4 euros (estou um pouco desatualizada, não sei o valor exato) e passa bem pelo centrão de Dublin, onde estão a maioria dos hotéis e hostels. O inconveniente é o horário de circulação do ônibus, mas se chegar na cidade durante o dia, isto não é problema.

3 – Fazer compras apenas no Tesco

Apesar de o mercado ser o mais famoso, nem sempre tem os melhores preços e variedade. Vale muito a pena fazer compras em mercados como SuperValu, Dunnes Store, Lidle e Aldi. Eu já escrevi um post do que era melhor/mais barato onde. Já tem um tempinho, mas acho que ainda dá para se basear nele.

4 – Morar próximo de knackers

Esse é o tipo de exemplo “faça o que eu digo, não o que eu faço”, porque eu morei bem em frente de um condomínio estilo “Cingapura” lá em Dublin. Sim, sei que este tópico soa bem preconceituoso e estou definindo o caráter destas pessoas pela suas condições de moradia. Mas o que digo com conhecimento de causa é que estas pessoas, via de regra, te encaram, suas crianças vivem soltas na rua brincando, berrando, brigando. Ah, as mulheres também vivem na rua berrando com sua vozes roucas e enfim, não é uma vizinhança muito legal e tranquila. Os vizinhos jogavam latas de cerveja no nosso quintal, as crianças escalavam nossa cerca pra pedir comida quando fazíamos churrasco… Se puder evitar, evite. Se não puder, acostume-se.

5 – O transporte público de Dublin

Fiquei pensando se incluiria ou não este tópico. Já é um pouco contraditório, porque no item 2 eu recomendei o transporte público para chegar ao centro da cidade. A questão, na verdade, é: se puder ir a pé ou de bicicleta, vá. Não priorize o transporte público. O sistema em Dublin é caro (e não me venha com a argumentação de que o salário mínimo de lá é x euros, então tá ok – vamos justificar qualquer valor alto baseado no salário mínimo de lá? Trabalhadores  irlandeses não têm vale-transporte e pagam do bolso), o horário do transporte é ridículo (aos domingos, por exemplo, os primeiros ônibus começam a circular depois das 7 da manhã) e todo o sistema é baseado no centro: todos os ônibus chegam ao centro, mas se você precisar cruzar a cidade, vai precisar de 2, 3 ônibus. Fora que as pessoas fumam e bebem dentro do ônibus e nunca ouvi nenhum motorista falar nada. Claro que tem seu lado bom: não lota como em São Paulo (mas aí também é até covardia: São Paulo tem 11 milhões de habitantes e Dublin, 1 milhão) e nos pontos de ônibus mais movimentados tem um painel mostrando o horário dos próximos ônibus chegando.

Onde abastecer a despensa?

Eu diria que o post de hoje é de utilidade pública! Morando na Irlanda há 7 meses e abastecendo a geladeira e o armário desde então, eu acho que já sei dizer onde é mais barato comprar o quê, onde tem o quê e onde tem promoção de quê. 🙂

Os principais mercados da cidade são o Tesco, Dunnes, Aldi, Lidl e SuperValu. Além destes, outros lugares onde sempre tem algo mais em conta ou diferente para comprar são os mercados poloneses, as lojinhas brasileiras (óbvio, né?), Iceland e as lojinhas de 2 euros da vida. Em cada estabelecimento você encontra alguma promoção ou alguns itens mais em conta.

Tesco

A vantagem do Tesco é possuir sua própria marca, desde o achocolatado até o enxaguante bucal, do shampoo a cidra! É praticamente um império! Via de regra, a marca Tesco é sempre muito mais barata que os produtos de marca. Outra vantagem é o imbatível Reduced! Todos os dias, por volta das 18h, produtos que estão para vencer são remarcados e colocados numa prateleira especial. Os descontos podem ser de poucos centavos a 70, 80% do valor original do produto e valem a pena principalmente para as carnes, que costumam ser caras.

Foto tirada às 18h. Pior que a 25 de março em véspera de Natal!
Foto tirada às 18h. Pior que a 25 de março em véspera de Natal!

Frutas e legumes, normalmente, são mais caros lá do que em outros mercados, mesmo com as promoções.

Uma dica é fazer o ClubCard. A cada 1 euro em compras você ganha um ponto e ao completar 150 pontos, ganha desconto de 1,50 na compra seguinte. Ok, é mínimo, mas para quem sempre compra lá, vale a pena.

Dunnes

O Dunnes é um mercado e uma loja de departamentos. Alguns lugares têm os dois, mas em andares diferentes, e outros são separados, sendo apenas o mercado ou a loja. Os preços do Dunnes não estão entre os mais competitivos, mas ele oferece uma marca própria, a St. Bernard, que é muito barata. Você sabe logo de cara que é um produto baratinho pela falta de estilo da embalagem: são todas com fundo branco e detalhes em azul. Para comparar, enquanto um pote médio de maionese de marca sai por cerca de 3 euros, o da marca St. Bernard custa 99 centavos.

Aldi

O Aldi parece aquele mercadinho de bairro sem luxo nem glamour, sabe? E é um dos lugares mais baratos, porém você não encontra nenhuma grande marca e quase tudo tem o selinho do mercado na embalagem, ou seja, são itens que você só encontra lá. Toda semana eles selecionam frutas e legumes para a promoção dos 39 centavos. É onde gosto de comprar congelados (legumes, batata etc), atum, ketchup e tortilhas, porque, sem dúvida, é o lugar mais em conta.

Lidl

O Lidl faz o mesmo estilo do Aldi e eu não costumo fazer compras lá. O pão de forma vendido no mercado é o meu preferido, mas ir lá só para comprar isso não faz sentido. O Lidl também é conhecido por sua padaria, sempre com aquele cheiro de “quem acabou de sair do forno”. Vendem, inclusive, o nosso pão francês. Claro, não é igual, mas engana bem.

Vai um?
Vai um?

SuperValu

O SuperValu não tem preços bons, mas assim como o Dunnes, vende uma marca própria e esta sim tem preços ótimos. Procure pela marca Daily Basics, embalagem com fundo branco e detalhes em vermelho. Além disso, o que gosto bastante no mercado é a promoção de 3 itens por 2 euros. Toda semana eles selecionam 5 frutas e/ou legumes , dos quais se pode combinar 3 e pagar apenas 2 euros, o que é muito vantajoso. Uma bacia com 6 peras, por exemplo, custa quase 2 euros e nesta promoção, você poderia levar 3 pelo mesmo valor. Ou misturar com outros itens, você escolhe.

Mercados poloneses

Dizem que depois dos irlandeses, a maior população da Irlanda é de poloneses! Verdade ou não, há um mercado polonês em cada esquina. Normalmente, é onde brasileiros compram frango, salsicha e linguiça, pois o preço é muito competitivo e são produtos de boa qualidade.

Lojinhas brasileiras

É óbvio surpreendente o número de brasileiros nesta terra! Há vários mercadinhos pelo centro e eles vendem aqueles produtos que tanto salivamos de vontade de comer! O problema é que é tudo bem mais caro do que no Brasil, então, é um ótimo lugar para ir quando estiver com lombrigas, mas com cautela. Um pacote de farofa pronta ou uma caixa de mistura para pão de queijo custa 2,50 euros – a regra de ouro é jamais converter para reais. As carnes e aves vendidas neles também costumam ser boas, apesar de mais caras, mas neste caso compensa pagar um pouco mais para comer algo com mais qualidade.

Iceland

Como o nome sugere, o Iceland vende principalmente produtos congelados e a maioria custa, em média, 1,50. Eles também têm alguns produtos genéricos, como um sorvete que eu era viciada em comprar quando cheguei: o fake do Cornetto que, juro, era muito parecido e custava menos da metade do preço! É o lugar perfeito para os preguiçosos que gostam de tirar do freezer e por no forno e do forno por no prato.

Lojinhas de 2 euros

Tem muita coisa nestas lojinhas (há várias lojas como a 99 cents store, a Eurogiant e por aí vai) e comida também. O leite é mais barato lá do que nos mercados (vocês estão lendo o blog de uma pessoa que até hoje precisa do leitinho no café-da-manhã) e é um bom lugar também para comprar itens de higiene pessoal (pasta de dente, escova, desodorante e sabonete), produtos de limpeza em geral e pipoca!

Outra dica é a Boots, que é uma farmácia/perfumaria e não oferece os melhores preços, mas quem possui carteirinha de estudante ganha 10% de desconto.

Cartel?

Há alguns produtos do dia-a-dia que custam exatamente a mesma coisa em todos os mercados e quando os preços aumentam, aumentam em todos. É o caso do pão de forma, que costumava custar 65 centavos em todos os mercados citados (das marcas próprias) e num belo dia foi pra 72 centavos em todos. A embalagem de 2l de leite custa 1,49 em todos assim como 1kg de açúcar ou arroz (das marcas próprias) custa 1,19 e por aí vai.

Com o tempo você vai descobrindo também as marcas que mais gosta e os melhores lugares para adquiri-las. Este post fica apenas como um “guia rápido”. 😉

Caso tenha alguma dica para dar, deixe um comentário! 🙂