Solicitando o visto

Na mesma semana que saiu o resultado, a universidade enviou um email com alguns documentos importantes e orientações:

– Minha carta de aceite da universidade;
– Formulários de matrícula e confirmação de vaga para serem preenchidos, assinados e devolvidos por email;
– Instruções de como solicitar o visto junto a Embaixada Finladesa;
– Informações sobre o seguro saúde;
– Apresentação dos alunos kummi – quatro mestrandos que seriam tutores dos novos alunos para nos ajudar com dúvidas e questões práticas de todo processo.

A próxima etapa, então, seria solicitar o visto de estudante. Para isso, precisava do seguinte:

– Carta de aceite da universidade junto com a impressão do corpo do email enviado com a carta;
– Preencher o formulário de visto no site da imigração finlandesa;
– Seguro saúde com cobertura de 30 mil euros por evento;
– Comprovar fundos para me manter por um ano (ou o equivalente a 560 por mês);
– Cópia da primeira folha do passaporte e uma foto 3×4;
– Pagamento da taxa de emissão de visto de 300 euros.

Ou seja, nada absurdo ou nada complicado, a menos que a gente considere que ter que comprovar 6720 euros de cara seja absurdo. E é, mas eu já estava me preparando financeiramente para um resultado positivo há tempos, então, não foi um susto.

A parte mais complicada mesmo disso tudo foi estar trabalhando loucamente e mal ter tempo de pesquisar e fazer tudo com calma. Eu já trabalhei em escritório (não sinto saudades, sociedade) e sei que nestas condições a gente sempre arranja um tempinho para fazer algo pessoal no computador, nem que seja no horário de almoço ou logo depois do expediente, mas eu sou professora, não trabalho em frente a um computador e em horário de trabalho não tenho tempo de pegar meu celular e ficar fuçando, logo, me sobrava as noites e finais de semana e olhe lá, porque estava trabalhando até às 19h. Foi difícil!

A universidade sugeriu uma empresa belga para comprar o seguro e alegaram que a grande vantagem seria que a imigração finlandesa já conhecia esta seguradora e isso aceleraria a emissão do visto. O valor não estava alto, mesmo cotado em euros, mas mesmo assim quis consultar outras seguradoras aqui do Brasil. Conclusão: todas conseguiram me oferecer seguros muito mais caros e acabei optando por comprar o seguro sugerido mesmo. Parece que foi tudo simples, mas eu tive muita dor de cabeça com isso depois (vai virar um post).

Seguro comprado, preenchi cuidadosamente o formulário de visto online e anexei todos os documentos solicitados (aqueles da última listinha). Quando enviei, apareceu uma mensagem informando que eu deveria contatar minha embaixada/consulado e agendar um horário. Eu já havia pesquisado que havia um consulado finlandês em São Paulo, na Oscar Freire, e já estava feliz tentando ligar lá para fazer o agendamento. Ninguém atendia. Mandei email. Não houve resposta. Intrigada, contatei o consulado do Rio de Janeiro por email e fiquei de queixo caído quando a mocinha finlandesa do outro lado da tela me disse que eu tinha que visitar a Embaixada, não um consulado, pois a máquina que capta digitais ficava apenas lá. Em Brasília.

Sim, Brasília. Se eu disser que não senti um balde de água fria caindo na minha cabeça nessa hora, estou mentindo. Como iria assim do nada faltar no trabalho e me programar para ir a uma cidade distante 1175km da minha? Liguei lá e agendei um horário para 10 dias depois para ter tempo de me organizar e comprar um voo. Até pensei em ir de ônibus, mas as 14h de ida e depois mais 14h de volta num curto período de tempo não me animaram. Felizmente, nós também temos nossas companhias low cost – do nosso jeito, mas temos – e consegui um preço razoável para fazer um bate-e-volta na capital pela Azul – porque a Gol e a Tam estavam querendo um rim.

Organizei todos os meus documentos, paguei a taxa de visto no banco, fui tirar foto 3×4, conferi se tinha pego tudo que precisava umas 30 vezes antes de sair de casa para ir ao aeroporto e fui. No próximo post, conto como foi o dia em Brasília.

Enquanto isso, não havia nada a fazer a não ser esperar a data da “entrevista de visto”. Já havia enviado minha matrícula e me inscrito no sistema de moradia do campus para aguardar uma oferta de vaga e isso era tudo que eu já poderia ter feito até então.

Are we there yet?
Are we there yet?

Buenos Aires – mais chorizo, sorvete e o fim da viagem

Terminei o último post falando que queria muito fazer algo antes de voltar ao hostel, aliás, ao Brasil. Não é nada absurdo: eu só queria tomar um chocolate quente no Café Tortoni! Eu fiquei encantada com a decoração do café que faz parecer que estamos nos anos 20, com o charme das mesas e o clima do lugar! Como eu só havia assistido ao show de tango, que é numa sala à parte do café, fiquei com muita vontade de voltar lá apenas para isso.

Café Tortoni
Café Tortoni

O café é realmente uma atração turística e quando chegamos lá por volta de 18h, havia uma fila quase estilo Outback (aparentemente, é assim todos os dias). O senhor que estava na porta nos informou que talvez demoraria uns 30 minutos até entrarmos, mas na verdade, foram 13 – sim, contei no relógio. Pedi um “combo” com chocolate quente e 3 churros que custou 60 pesos (uns 13 reais). Achei tudo muito gostoso e voltei feliz para o hostel.

No dia seguinte, tiramos mais umas fotos na Floralis Genérica, demos uma volta na Calle Florida e fomos almoçar. Foi caminhando da Floralis até a 9 de julho, aliás, que notei que o taxista que comentei em outro post havia nos sacaneado, porque eu cheguei muito rápido até a avenida indo a pé e ele entrou em muitas ruazinhas para fazer isso!

Floralis
Floralis

Como seria meu último almoço argentino antes de retornar ao Brasil, eu quis comer chorizo de novo e olha, esses argentinos não têm miséria quando o assunto é carne, por isso que digo que ingeri todas as proteínas do mês de julho enquanto estive lá. E o prato saiu por 100 pesos (uns 22 reais).

A foto não consegue mostrar o quão grande esse chorizo era!
A foto não consegue mostrar o quão grande esse chorizo era!

Estava tão alegre de barriga cheia que saí do restaurante e esqueci meu earmuff (o aquecedor de orelha que estou usando na foto com a Floralis) pendurado na cadeira do restaurante! 😦 E eu só fui me dar conta disso mais tarde, quando cheguei no aeroporto. Vou ter que voltar pra Dublin pra comprar outro! 🙂

Para encerrar a visita com chave de calorias, antes de voltar ao hostel passei numa sorveteria na Calle Florida chamada “Abuela Goye” (que eles pronunciam goche – ai, me divirto!) e me acabei num pote de sorvete de 3 bolas e sabores diferentes por 46 pesos (uns 10 reais).

A sorveteria e um photobomb
A sorveteria e um photobomb

O local também vende alfajor, que aliás, são mais caros que os Havanna e tem opções bem interessantes de sabores. Sim, eu comprei alfajor também. Aliás, voltei para o Brasil com 2 caixas de alfajor e 800g de dulce de leche Havanna (que custou só uns 16 reais). Só não trouxe o sorvete e o chorizo por motivos óbvios!

Flocos, chocolate especial da casa e nozes
Flocos, chocolate especial da casa e nozes

Voltamos ao hostel para esperar o transfer que reservamos com o pessoal de lá mesmo, já que não estávamos a fim de encarar quase 3h de volta ao aeroporto. De carro foram apenas 45 minutos até lá (com um motorista muito do barbeiro). Fizemos check-in e achei engraçado a funcionária da Gol observar que a “pata”, como ela disse, da minha mala estava quebrada (ah, não me diga! vi bem a delicadeza dos funcionários do aeroporto colocando as malas no avião – anyways, o pé da mala está quebrado desde outros carnavais) e me pediu para assinar um papel para provar que a mala já havia saído assim de Buenos Aires. Ok, then.

O voo até Florianópolis durou 1h30 e foi bem tranquilo. Parênteses. O voo foi justamente no horário do jogo Brasil e Alemanha. Quando embarquei já estava em 5×0, mas eu só percebi que nada é tão ruim que não possa piorar quando aterrissamos e descobrimos que havia terminado em 7×1. Fim do parênteses.

O free shop de Florianópolis é minúsculo, tão pequeno que ele só abre quando um voo internacional chega. Há. Já o free shop de EZEIZA, ainda em Buenos Aires, é gi-gan-te! Porém, o que queria só fui achar mesmo em Floripa! Mas fica a dica para quem quer se acabar nas compras: chegue mais cedo no EZEIZA e faça a festa!

Como o voo de volta a São Paulo só sairia no dia seguinte às 7h da manhã (e ainda era 20h), fizemos tudo com calma. Desembarcamos e fui ao balcão da Gol perguntar quando poderia despachar minha mala e para minha surpresa, a atendente disse que se eu quisesse, poderia embarcar num voo que estava saindo para Guarulhos às 21h45 sem nenhum custo – era uma gentileza deles, pois notaram que muita gente chegava de Buenos Aires neste voo e dormia no aeroporto. It was so nice of them! 🙂

Cheguei em São Palo depois de 50 minutos de voo e antes da meia-noite já estava em casa, feliz por finalmente ter conhecido o país vizinho.

[Como este post já está bem grandinho, deixo para falar as minhas impressões de Buenos Aires, incluindo o hostel, a comida e as atrações, no próximo – e certamente o último- post da série]

 

Bandeiras argentinas everywhere
Bandeiras argentinas everywhere

Buenos Aires – uma introdução

Tinha vontade de conhecer a capital argentina há muito tempo, desde 2010 pelo menos, quando fui pedir umas dicas à minha prima que já havia viajado para lá e ela acabou me convencendo a ir para o Peru com ela. Não me arrependi, me encantei muito com o Peru, especialmente com Machu Picchu e o Lago Titikaka. Mas a vontade permaneceu.

A foto clássica no Lago Titikaka
A foto clássica no Lago Titikaka

Há uns 3 meses recebi um email do Melhores Destinos (site altamente recomendado para pesquisar passagens baratas) com uma promoção excelente para Buenos Aires e o melhor: numa época do ano que eu poderia viajar. Não pensei duas vezes, comprei as passagens e embarquei em 3 de julho, dia que completou um ano que voltei da Irlanda. Coincidências.

Minhas semanas antes da viagem foram bem loucas e corridas, pra dizer o mínimo, então não consegui descansar nem na véspera: fiz as malas na quinta-feira de manhã, imprimi o esboço de roteiro que havia feito, separei o passaporte (e quase que levo meu passaporte vencido – oh cabeça) e peguei o ônibus para o aeroporto de Guarulhos (cês não tavam achando que eu ia pegar táxi, né?).

Cheguei no aeroporto com muita antecedência (2h30 antes do voo) e foi tudo muito tranquilo. Desculpa, gente, mas o #imaginanacopa não causou filas imensas no balcão de check-in nem na fila da segurança e nem atraso no meu voo. Foi tudo ótimo e só fiquei muito tempo aguardando porque cheguei muito cedo mesmo.

Como peguei uma promoção e, no caso, escolhi preço e não conforto, meu voo não era direto e tive que fazer um conexão em Porto Alegre. Parênteses: eu que sou assim uma menina da cidade grande e acostumada com muvuca, agitação e lugares gigantes fiquei impressionada com o aeroporto de Porto Alegre que era um ovo. Eu tinha quase 3h entre um voo e outro e achei que iria desembarcar lá e já poderia passar pela segurança para aguardar no saguão de embarque. Que nada! Só me deixaram entrar faltando uns 50 minutos para meu voo decolar, isso que era voo internacional. Mas GENTE! Até que o aeroporto de Dublin é bem grande se comparar com Porto Alegre. Fim do parênteses.

De São Paulo até Porto Alegre deu 1h25 de voo e foi bem tranquilo. Voei de Gol e achei tudo bem ok, até serviram um lanchinho, o que eu nem esperava. O voo de Porto Alegre atrasou um pouquinho, mas ainda cheguei em Buenos Aires no horário previsto. Deu 1h40 até lá e os primeiros 25 minutos de voo foram muito tensos: uma turbulência danada, o avião tremia, chacoalhava, aquele barulho de não-sei-o-quê rangendo… muita emoção!

Chegando em Buenos Aires, passamos pela imigração e minha surpresa: eu achava que como temos o Mercosul aqui seria um lance meio “Mercosul nesta fila” e “resto do mundo nesta fila”, como é quando você chega em qualquer país europeu, só que na verdade era uma fila para os hermanos e outra para não-hermanos. A diferença é que eles dividem os não-hermanos em Mercosul e estrangeiro. Na Argentina, obviamente, não sou estrangeira.

Eu não sou estrangeira, sou do Mercosul, saca?
Eu não sou estrangeira, sou do Mercosul, saca?

Não é necessário ter passaporte para entrar na Argentina, desde que seu RG tenha menos de 10 anos, o que era não o meu caso, então, tive que entrar no país usando meu passaporte mesmo. Tudo muito rápido, sem perguntas cabeludas: Turista? Una foto! Polegar! Donde eres su hotel? (eu tô inventando, não falo espanhol).

Argentina! Argentina! Argentina!
Argentina! Argentina! Argentina!

Pouco depois da meia-noite já havia desembarcado e adivinha: eu resolvi que iria passar a noite no aeroporto mesmo. Acho que nunca contei pra vocês, mas eu já dormi em alguns aeroportos desse mundão antes (Dublin, Oslo, Estocolmo…), então, no news so far. O fato é que também havia decidido que iria do aeroporto ao centro da cidade de ônibus, pois desci no EZEIZA, o aeroporto que fica a uns 38km de Buenos Aires, e o taxi custaria uns 80 reais com o câmbio que conseguiria trocando pesos no Banco de la Nácion do aeroporto, o que não iria fazer (e explico futuramente). Já o ônibus me custaria 3 reais nesta mesma cotação oficial e eu não estava com pressa mesmo. O problema é que cheguei lá cheia de reais (porque sou ryca) e os ônibus só aceitam moedas, ou monedas, como logo aprendi. Fomos à caça de monedas, tentando comprar alguma porcariazinha para receber o troco de moedas, só que pensa que o peso está muito desvalorizado e uma moeda de 2 pesos vale o equivalente a 60 centavos no câmbio oficial e com 2 pesos você não faz absolutamente nada. Trocando em miúdos: não foi tarefa fácil achar as tais monedas, porque nem as lojinhas tinham. Resolvemos apelar e pedir para a galera que estava no aeroporto trocar pra gente e aí nos surpreendemos com a simpatia do povo argentino: uma moça abriu a carteira dela e nos DEU todas as moedas que tinha, aí foi pra fila do McDonald’s tentar trocar uma nota por moedas, não conseguiu, nos deus 25 pesos (7,50 reais no câmbio oficial) e disse para tentarmos trocar com alguém. Foi muito amor de recepção!

Fui preparada para o frio, mas aquela madrugada me pegou de surpresa: 3 graus! Uns cochilos aqui e outros ali, às 6h da manhã fui ao ponto de ônibus, que fica a esquerda saindo do Terminal B. A linha que leva ao centro de Buenos Aires é a 8 e eu havia pesquisado na internet que ela era bem demorada, pois não pegava vias principais, já que é transporte público e precisa servir ao maior número de pessoas possível. O ônibus saiu às 6h20 da manhã num frio que me fez lembrar de Dublin… chegava Machu Picchu, mas não chegava em San Telmo, bairro onde ficaria hospedada. Depois de 2h40 de viagem (sim!), num ônibus que lotou e esvaziou algumas vezes, que argentinos gentis tentaram me ajudar explicando onde eu estava e quanto tempo ainda iria levar pra chegar onde queria, mesmo eu não entendo tudo que eles falavam, cheguei! E devo dizer que o ponto final da linha 8 ainda estava meio longe, no bairro La Boca. Mas vendo o custo-benefício de levar 2h40 (e ainda chegar no hostel pouco depois das 9h) e gastar NADA, faria tudo de novo.

Como estou tirando o atraso (há quanto tempo que não posto nada além do desafio de 52 semanas, hein?), estou falando mais que a mulher da cobra e para vocês não ficarem entediados, termino aqui. Só pra constar, eu fiquei 5 dias em Buenos Aires, vocês ainda vão ter que aguentar muitos posts pela frente… 🙂