Coisas que não recomendo

O tema original do desafio dessa semana era “Superpoderes que gostaria de ter”. Bem, como não vi de que forma eu poderia relacionar isso com a Irlanda, troquei por uma sugestão feita pela Cely nos comentários da primeira semana do desafio.

Semana 6 – Coisas que não recomendo

Eh, gente, eu sei! Difícil acreditar, mas Dublin tem seu lado ruim! Tá, eu sei que você ficou surpreso e isso é um choque de realidade, mas vamos a minha lista de “não recomendações”.

1 – Fazer compras na Carrolls

A Carrolls é uma rede de souvenirs e tem uma loja em cada esquina no centro. Ao mesmo tempo em que posso dizer que lá tem milhares de opções e que tudo lá, normalmente, é de boa qualidade, também digo que a loja é extremamente cara e que vale a pena visitar lojas menores do centro, onde você também pode achar souvenirs bacanas e com um preço melhor. Só depois de garimpar essas lojinhas, vá a Carrolls.

2 – Ir do aeroporto até o centro da cidade de táxi

Se você não estiver carregado de malas ou mesmo que esteja, se tiver alguém pra te ajudar no trajeto a pé até sua acomodação, vá para o centro de ônibus. O táxi vai custar em torno de 35 euros, o ônibus, no máximo 4 euros (estou um pouco desatualizada, não sei o valor exato) e passa bem pelo centrão de Dublin, onde estão a maioria dos hotéis e hostels. O inconveniente é o horário de circulação do ônibus, mas se chegar na cidade durante o dia, isto não é problema.

3 – Fazer compras apenas no Tesco

Apesar de o mercado ser o mais famoso, nem sempre tem os melhores preços e variedade. Vale muito a pena fazer compras em mercados como SuperValu, Dunnes Store, Lidle e Aldi. Eu já escrevi um post do que era melhor/mais barato onde. Já tem um tempinho, mas acho que ainda dá para se basear nele.

4 – Morar próximo de knackers

Esse é o tipo de exemplo “faça o que eu digo, não o que eu faço”, porque eu morei bem em frente de um condomínio estilo “Cingapura” lá em Dublin. Sim, sei que este tópico soa bem preconceituoso e estou definindo o caráter destas pessoas pela suas condições de moradia. Mas o que digo com conhecimento de causa é que estas pessoas, via de regra, te encaram, suas crianças vivem soltas na rua brincando, berrando, brigando. Ah, as mulheres também vivem na rua berrando com sua vozes roucas e enfim, não é uma vizinhança muito legal e tranquila. Os vizinhos jogavam latas de cerveja no nosso quintal, as crianças escalavam nossa cerca pra pedir comida quando fazíamos churrasco… Se puder evitar, evite. Se não puder, acostume-se.

5 – O transporte público de Dublin

Fiquei pensando se incluiria ou não este tópico. Já é um pouco contraditório, porque no item 2 eu recomendei o transporte público para chegar ao centro da cidade. A questão, na verdade, é: se puder ir a pé ou de bicicleta, vá. Não priorize o transporte público. O sistema em Dublin é caro (e não me venha com a argumentação de que o salário mínimo de lá é x euros, então tá ok – vamos justificar qualquer valor alto baseado no salário mínimo de lá? Trabalhadores  irlandeses não têm vale-transporte e pagam do bolso), o horário do transporte é ridículo (aos domingos, por exemplo, os primeiros ônibus começam a circular depois das 7 da manhã) e todo o sistema é baseado no centro: todos os ônibus chegam ao centro, mas se você precisar cruzar a cidade, vai precisar de 2, 3 ônibus. Fora que as pessoas fumam e bebem dentro do ônibus e nunca ouvi nenhum motorista falar nada. Claro que tem seu lado bom: não lota como em São Paulo (mas aí também é até covardia: São Paulo tem 11 milhões de habitantes e Dublin, 1 milhão) e nos pontos de ônibus mais movimentados tem um painel mostrando o horário dos próximos ônibus chegando.

Outras coisas de Irlanda

Você pode conferir as primeiras coisas de Irlanda que postei aqui e aqui.

*Baratas- Lembram-se que eu contei que tinha muita aranha por aqui? Acho que é para compensar a falta de baratas, pois eu nunca vi uma sequer, nem saindo de boca de lobo à noite!

*Conta de água- Ainda não pagamos conta de água, mas a partir do segundo semestre o governo vai começar a instalar medidores nas casas e começar a cobrança em 2014, tudo como parte das medidas adotadas após a crise. Vai ser um gasto extra para os intercambistas, mas ainda não sabemos quais serão as taxas. O negócio é aproveitar enquanto ainda é gratuita.

*Arquitetura – As casas e prédios do centro, geralmente, são construções mais antigas e, muitas vezes, tiveram seu interior completamente alterado, embora a fachada tenha sido, quase sempre, preservada. Não sei se é por conta do espaço não ter sido projetado junto com a construção original, mas muitas casas aqui têm uma distribuição de espaço meio estranha, como, por exemplo, os quartos serem logo na entrada e a cozinha e a sala nos fundos. Ou o quarto dar direto na cozinha. É meio esquisito.

*Falta de criatividade para dar nome às ruas – Isso pode te confundir bastante! Não sei porque, mas em vez de dar às ruas diferentes nomes, eles usam o mesmo nome e só mudam o “tipo de rua”. Por exemplo, vamos dizer que exista a John Street. Na mesma região pode ter a John Road, John Avenue, John Park, John Square, John Place, John Drive e por aí vai. Eu já me perdi assim. 😦

*Quebrou? Compra outro! – Aqui os serviços costumam ser bem caros e por conta disso muitas vezes não compensa arrumar algum eletrônico que quebrou. Já ouvi dizer de casos de iPod, por exemplo, que só para trocar uma tela quebrada se cobra mais de 100 euros e um iPod novo não custa nem o dobro disso.

*Umidade – Não é muito de se espantar que num país que costuma chover bastante a umidade seja um problema. Não é raro, especialmente no centro, ver casas com mofo por causa da bendita ou até com fungos! Aqui eu fiquei sabendo que existe um negócio chamado desumidificador. Sou de São Paulo e lá o que acontece muito, especialmente no inverno, é a umidade do ar cair bastante e lá em casa tinha um umidificador. Ver um negócio que serve para tirar a umidade do ar foi novidade pra mim!

*Celulares achados – Eu nunca achei celular por aqui (talvez porque quase não saia a noite ou vá para pubs, mas enfim), mas conheço muita gente que achou iPhone, Galaxy e por aí vai nas ruas/pubs da cidade. Basicamente, o pessoal bebe muito e nessa perde tudo, alguns até a dignidade. Uma conhecida, por exemplo, trabalha em um pub e já montou um kit de maquiagem de dar inveja apenas com itens encontrados no local pós-balada. Sem contar os casacos que, sinceramente, me assusta mais que os celulares. Como o ser humano consegue esquecer um casaco ao sair da balada de madrugada com temperaturas tão baixas? Vejam o que o alcóol não faz com a pessoa.

*Loja de departamentos/mercado – Algo que achei muito engraçado é ter loja de departamentos que também tem mercado. A Dunnes, por exemplo, é uma delas e no mesmo lugar você tem a loja e num andar separado, o mercado. Há outras como a Mark & Spencer, por exemplo. É como se a Renner ou a C&A tivessem um mercado, entendeu?

Tem mais alguma coisa “diferente” que você já notou aqui na Irlanda? 😉

 

Onde abastecer a despensa?

Eu diria que o post de hoje é de utilidade pública! Morando na Irlanda há 7 meses e abastecendo a geladeira e o armário desde então, eu acho que já sei dizer onde é mais barato comprar o quê, onde tem o quê e onde tem promoção de quê. 🙂

Os principais mercados da cidade são o Tesco, Dunnes, Aldi, Lidl e SuperValu. Além destes, outros lugares onde sempre tem algo mais em conta ou diferente para comprar são os mercados poloneses, as lojinhas brasileiras (óbvio, né?), Iceland e as lojinhas de 2 euros da vida. Em cada estabelecimento você encontra alguma promoção ou alguns itens mais em conta.

Tesco

A vantagem do Tesco é possuir sua própria marca, desde o achocolatado até o enxaguante bucal, do shampoo a cidra! É praticamente um império! Via de regra, a marca Tesco é sempre muito mais barata que os produtos de marca. Outra vantagem é o imbatível Reduced! Todos os dias, por volta das 18h, produtos que estão para vencer são remarcados e colocados numa prateleira especial. Os descontos podem ser de poucos centavos a 70, 80% do valor original do produto e valem a pena principalmente para as carnes, que costumam ser caras.

Foto tirada às 18h. Pior que a 25 de março em véspera de Natal!
Foto tirada às 18h. Pior que a 25 de março em véspera de Natal!

Frutas e legumes, normalmente, são mais caros lá do que em outros mercados, mesmo com as promoções.

Uma dica é fazer o ClubCard. A cada 1 euro em compras você ganha um ponto e ao completar 150 pontos, ganha desconto de 1,50 na compra seguinte. Ok, é mínimo, mas para quem sempre compra lá, vale a pena.

Dunnes

O Dunnes é um mercado e uma loja de departamentos. Alguns lugares têm os dois, mas em andares diferentes, e outros são separados, sendo apenas o mercado ou a loja. Os preços do Dunnes não estão entre os mais competitivos, mas ele oferece uma marca própria, a St. Bernard, que é muito barata. Você sabe logo de cara que é um produto baratinho pela falta de estilo da embalagem: são todas com fundo branco e detalhes em azul. Para comparar, enquanto um pote médio de maionese de marca sai por cerca de 3 euros, o da marca St. Bernard custa 99 centavos.

Aldi

O Aldi parece aquele mercadinho de bairro sem luxo nem glamour, sabe? E é um dos lugares mais baratos, porém você não encontra nenhuma grande marca e quase tudo tem o selinho do mercado na embalagem, ou seja, são itens que você só encontra lá. Toda semana eles selecionam frutas e legumes para a promoção dos 39 centavos. É onde gosto de comprar congelados (legumes, batata etc), atum, ketchup e tortilhas, porque, sem dúvida, é o lugar mais em conta.

Lidl

O Lidl faz o mesmo estilo do Aldi e eu não costumo fazer compras lá. O pão de forma vendido no mercado é o meu preferido, mas ir lá só para comprar isso não faz sentido. O Lidl também é conhecido por sua padaria, sempre com aquele cheiro de “quem acabou de sair do forno”. Vendem, inclusive, o nosso pão francês. Claro, não é igual, mas engana bem.

Vai um?
Vai um?

SuperValu

O SuperValu não tem preços bons, mas assim como o Dunnes, vende uma marca própria e esta sim tem preços ótimos. Procure pela marca Daily Basics, embalagem com fundo branco e detalhes em vermelho. Além disso, o que gosto bastante no mercado é a promoção de 3 itens por 2 euros. Toda semana eles selecionam 5 frutas e/ou legumes , dos quais se pode combinar 3 e pagar apenas 2 euros, o que é muito vantajoso. Uma bacia com 6 peras, por exemplo, custa quase 2 euros e nesta promoção, você poderia levar 3 pelo mesmo valor. Ou misturar com outros itens, você escolhe.

Mercados poloneses

Dizem que depois dos irlandeses, a maior população da Irlanda é de poloneses! Verdade ou não, há um mercado polonês em cada esquina. Normalmente, é onde brasileiros compram frango, salsicha e linguiça, pois o preço é muito competitivo e são produtos de boa qualidade.

Lojinhas brasileiras

É óbvio surpreendente o número de brasileiros nesta terra! Há vários mercadinhos pelo centro e eles vendem aqueles produtos que tanto salivamos de vontade de comer! O problema é que é tudo bem mais caro do que no Brasil, então, é um ótimo lugar para ir quando estiver com lombrigas, mas com cautela. Um pacote de farofa pronta ou uma caixa de mistura para pão de queijo custa 2,50 euros – a regra de ouro é jamais converter para reais. As carnes e aves vendidas neles também costumam ser boas, apesar de mais caras, mas neste caso compensa pagar um pouco mais para comer algo com mais qualidade.

Iceland

Como o nome sugere, o Iceland vende principalmente produtos congelados e a maioria custa, em média, 1,50. Eles também têm alguns produtos genéricos, como um sorvete que eu era viciada em comprar quando cheguei: o fake do Cornetto que, juro, era muito parecido e custava menos da metade do preço! É o lugar perfeito para os preguiçosos que gostam de tirar do freezer e por no forno e do forno por no prato.

Lojinhas de 2 euros

Tem muita coisa nestas lojinhas (há várias lojas como a 99 cents store, a Eurogiant e por aí vai) e comida também. O leite é mais barato lá do que nos mercados (vocês estão lendo o blog de uma pessoa que até hoje precisa do leitinho no café-da-manhã) e é um bom lugar também para comprar itens de higiene pessoal (pasta de dente, escova, desodorante e sabonete), produtos de limpeza em geral e pipoca!

Outra dica é a Boots, que é uma farmácia/perfumaria e não oferece os melhores preços, mas quem possui carteirinha de estudante ganha 10% de desconto.

Cartel?

Há alguns produtos do dia-a-dia que custam exatamente a mesma coisa em todos os mercados e quando os preços aumentam, aumentam em todos. É o caso do pão de forma, que costumava custar 65 centavos em todos os mercados citados (das marcas próprias) e num belo dia foi pra 72 centavos em todos. A embalagem de 2l de leite custa 1,49 em todos assim como 1kg de açúcar ou arroz (das marcas próprias) custa 1,19 e por aí vai.

Com o tempo você vai descobrindo também as marcas que mais gosta e os melhores lugares para adquiri-las. Este post fica apenas como um “guia rápido”. 😉

Caso tenha alguma dica para dar, deixe um comentário! 🙂