Cliffs of Moher

Os Cliffs of Moher formam um dos mais famosos pontos turísticos da Irlanda. Os paredões de até 200 metros de altura ficam na costa oposta de Dublin, numa viagem de pouco mais de 3h de carro (imagine cruzar um país de uma costa a outra em 3h? Já fiquei mais que isso só no trânsito de São Paulo… hehe).

Há tours de um dia que saem de Dublin para lá, mas como vocês já sabem, eu não sou muito fã de tours e afins, então, alugamos um carro e fomos por conta própria. Eu já falei um pouco sobre alugar carros por aqui quando fui para a Irlanda do Norte. Um ótimo site para pesquisar o melhor preço é o Argus Rentals, já que ele reune várias locadoras e busca o melhor aluguel. Desta vez, decidimos alugar um carro a diesel, pois mesmo o aluguel sendo um pouco mais alto, compensaria pela economia que faríamos com combustível.

Saímos de Dublin logo cedo e demos muita sorte com o tempo, pois estava um lindo dia de sol e céu azul (embora ainda muito frio).

Cliffs of Moher
Cliffs of Moher

Há um Visitor Centre e algumas lojinhas de souvenirs logo na entrada, mas fomos direto para os Cliffs. A visita tem “dois ângulos” de visão: uma trilha leva para o lado oposto oferecendo uma bela vista dos cliffs e a outra trilha leva aos cliffs em si.

Como escolhemos um dia perfeito, a visão dos cliffs era de tirar o fôlego! Também era de tirar completamente o fôlego ver a altura toda até o mar e nenhum muro ou cerca de proteção no penhasco. Sim, era possível sentar na beira dos cliffs para bater umas fotos, mas só pessoas sem amor à vida fariam isso.

Pessoa sem amor à vida
Pessoa sem amor à vida

A melhor parte de não estar num tour é fazer seus próprios horários. Fizemos as trilhas dos dois lados dos cliffs, paramos para fotos e ainda fizemos um lanche e ficamos observando as gaivotas sem correria ou pressão. No total, foram quase 4h muito bem aproveitadas por lá.

Sol e céu azul
Sol e céu azul

Na volta, passamos por algumas atrações menores, como esta tumba de mais de 5 mil anos, a Poulnabrone Dolmen.

Poulnabrone Dolmen
Poulnabrone Dolmen

E este castelo do século 16, o Dunguaire Castle.

Dunguaire Castle

Para terminar o dia, demos uma volta em Galway, que fica a uns 40 minutos dos Cliffs. Não ficamos muito tempo, mas deu para sentir que é uma cidade bem diferente de Dublin. Achei bem bonitinha.

Galway
Galway

Voltamos para Dublin, pouco menos de 3h de Galway, com um belo por-do-sol.

$SC02598
Sunset

Curiosidades

* Cenas dos filmes Casa Comigo e Harry Potter e o Príncipe Mestiço e o clipe My love do Westlife foram gravados lá.

* Procurei na internet informações sobre mortes acidentais no local, mas nem aquele que tudo sabe, o Google, me deu essa informação. Fato é que vez ou outra alguém deve dar um passinho pra trás para tirar uma foto ou cometer suicídio mesmo. Mas achei notícias sobre acidentes (ou não) nos cliffs aqui, aqui, aqui, aqui e aqui (todos os links em inglês).

Memorial
Memorial

Casa comigo?

Não sou fã de comédias românticas com aquelas histórias água com açúcar inverossímeis. A mocinha e o mocinho se conhecem, magicamente se apaixonam e a vida é linda, Brasil. Mas vamos deixar minha rabugentice de lado neste post.

O filme Leap year, ou Casa comigo? no Brasil, fala de uma tradição irlandesa que diz que o único dia do ano em que uma mulher pode pedir o namorado em casamento é em 29 de fevereiro (daí o nome do filme em inglês ser Leap year – ano bissexto) e o moço é obrigado a aceitar. Segundo minhas pesquisas, esta tradição, de fato, existe e surgiu das lendas de St. Patrick, que teria sido o tal que autorizou o procedimento lá pelo século 5.

Casa comigo?
Filminho água-com-açúcar

O filme foi rodado na Irlanda e mostra belas paisagens do interior do país, com lagos, castelos, rochas e verde, muito verde. Há algumas cenas filmadas em Dublin também.

Eu assisti o filme sem legendas e confesso que em algumas partes foi difícil entender o sotaque irlandês, especialmente quando falavam rápido. Porém, Matthew Goode, o irlandês casca grossa do filme, é, na verdade, britânico e me perguntei se o irish accent dele era fiel. Neste site aqui, li que ele afirmou ter sido bem difícil imitar o sotaque, que, para deixar bem claro, não é o sotaque de Dublin, mas o do oeste da Irlanda e, ao que tudo indica, é bem mais forte que o da capital.

De qualquer forma, para quem já fala inglês, é interessante comparar o sotaque de Anna, a americana, com os outros personagens irlandeses.

Além disso, consegui pegar algumas gírias dos duendes de ouvido, como “bob” e “gas”, por exemplo. A primeira significa ‘dinheiro’ e a segunda, ‘engraçado’. Então, quando você estiver em solo irlandês e alguém te pedir ‘bob’ ou disser que tal coisa é ‘gas’, você já sabe o que eles estão querendo dizer.

Outro ponto interessante é a chuva que sempre aparece no filme, confirmando os boatos que já li por aí sobre esta estranha atração que ela sente pelos leprechauns.

A trilha sonora acompanha o estilo water and sugar da produção, mas nenhuma das banda é irlandesa.

Casa comigo? é um bom filme para relaxar, esquecer da vida e achar que tudo é muito simples, além de conhecer lindas paisagens irlandesas e treinar o ouvido para o irish way of speaking. Também serve para dar algumas risadas (eu ri, pelo menos).

Estoure uma pipoquinha e curta mais um filme ambientado na Ilha Esmeralda!

PS: Confira o trailer mais spoiler que já vi!