Mother’s Day

O Dia das Mães é celebrado no segundo domingo de maio em vários países, incluindo o Brasil e os Estados Unidos, então, talvez você esteja pensando que eu estou um pouco adiantada. Mas há alguns dias, comecei a ver promoções de Mother’s Day em floriculturas e lojas e pensei com meus botões que a galera havia se enganado. Porém, a perdida era eu, pois aqui na Irlanda hoje é sim o Dia das Mães!

Pesquisei naquele que tudo sabe, o Google, porque a data era diferente e a história que encontrei foi bem interessante. Vocês já devem saber que a Irlanda é um país muito católico e a data tem relação com a religião, já que é comemorada no 4º domingo da Quaresma! O que é engraçado é que no Brasil a Quaresma tem relação com o Carnaval (se não estou enganada, ela começa quando o Carnaval termina, procede?) e aqui ela tem relação com algo completamente diferente!

With all my love!
With all my love!

Segundo esta fonte, a tradição começou em épocas medievais ainda, quando os filhos de famílias pobres eram enviados às casas dos ricos para trabalharem como aprendizes ou servos. Em apenas um dia do ano, no meio da Quaresma, estas crianças ganhavam um dia de folga para irem à igreja adorar a Virgem Maria e depois, visitarem suas mães. No caminho de volta às suas casas, elas colhiam flores para presentearem as mães. Depois da Revolução Industrial, a tradição quase se extinguiu, sendo relembrada depois da Segunda Guerra.

Tudo bem que eu não assisto TV por aqui, logo não vi comerciais mesmo, mas andando pelas ruas, não vi muito apelo comercial para a data, pelo menos, nada comparado ao Bra$il. Parece que as mães daqui ficam muito felizes com cartões e flores que simbolizam todo o amor e gratidão que os filhos têm por elas. Viu, mãe? 😉

Na sexta-feira, o O., o F. e eu fizemos um cartão para a mãe deles. Eu apenas coordenei o processo de rabiscos cheios de amor que os dois fizeram no cartão. A mãe ficou tão feliz que parecia que tinha um anel de diamante em cima da mesa quando ela chegou. É muito amor!

Happy Mother’s Day!

Publicidade

O sistema bancário irlandês

Antes de ler este post, pare e pense um pouco no sistema bancário brasileiro. Pensou? Agora esqueça tudo que você sabe sobre bancos e conheça o fabuloso sistema bancário irlandês.

Para poder tirar o visto de estudante, dentre outras coisas, é necessário ter uma conta no banco. Por que? Porque você precisa de um extrato bancário provando que você tem 3 mil euricos na conta, só isso. Os estudantes costumam abrir conta no Bank of Ireland (vulgo BOI) ou no AIB (banco escolhido pela pessoa que vos escreve).

Para abrir a conta é só levar um documento de identificação (no caso, o passaporte) e um comprovante de residência (o que significa que você já precisa ter um endereço fixo na Irlanda). Até aí, nenhuma novidade.

O funcionário vai te cadastrar no sistema e abrir uma conta de estudante para você. Aí começa a novidade. Primeiro, que você não vai cadastrar sua senha lá na hora. Segundo, você não sai do banco com um cartão provisório. Tudo que você ganha é um papel do banco informando o número da sua conta e o aviso de que “em 3 ou 4 dias úteis você receberá sua senha e cerca de 1 ou 2 dias depois, o seu cartão”. Sim, Brasil, os correios irlandeses são tão seguros e confiáveis que o banco vai mandar a sua senha (escolhida por eles) pelo correio. E em seguida, seu cartão des-blo-que-a-do. Nessa brincadeira, você vai ficar, pelo menos, uma semana sem poder usar sua conta.

Aí que você esperou, pacientemente, tudo isso acontecer. Foi ao banco e depositou seus 3 mil euros suados e precisa tirar um extrato para levar na imigração e pegar seu visto. É só imprimir no caixa eletrônico? Ok, só que por motivos de segurança (?), seus dados não vêm impressos neste extrato, então, teoricamente (explicarei isso num outro post) este extrato não será aceito na imigração. O que você faz? Vai ao banco e solicita um extrato, que, novamente, chegará pelo correio num prazo de 5 dias úteis. Resumindo, entre abrir sua conta e conseguir o bendito extrato para ir à imigração, já morrem duas semanas. Levando-se em consideração que você vai levar, em média, uma semana para conseguir um endereço fixo, não espere que sua situação na Irlanda seja regularizada em menos de 3 semanas. E isso se você for rápido, muito rápido.

Mas não basta ser correntista de banco irlandês, você quer usar internet banking (eu quis, sou phyna). Você não achou que seria só entrar no site do banco e fazer um cadastro, né? Você vai até a agência e se cadastra pelo telefone. Depois de ficar 10 minutos provando para o atendente que você é você, ele vai te passar um número de acesso (pois, por algum motivo não revelado, o número da sua conta não serve para este fim), e pedir para cadastrar uma senha no teclado do telefone. O que levanta a questão: se eles têm a tecnologia de cadastro de senhas por telefone, porque ela não existe nas agências? Feito isto, você está apto para usar seu banco pela internet também.

O que é muito curioso, além de não ter os dados do correntista no extrato impresso no caixa, é que no seu cartão do banco também não está escrito o número da sua conta. Seria por motivos de segurança novamente?

Mas, aparentemente, não há nenhum problema de segurança em haver caixas eletrônicos como este, no meio da rua:

Recomendação para sua segurança: cubra o teclado quando estiver digitando sua senha!

E por falar em segurança, se você detesta ser barrado nas portas giratórias por causa do seu guarda-chuva, suas chaves, suas moedas ou seus pinos (mas nunca seu revólver), venha mesmo para a Ilha Esmeralda. Eles desenvolveram um avançado sistema para controlar a entrada e saída de clientes das agências. Basicamente, existem duas portas. Ao abrir a primeira, você ficará preso até que ela se feche e, então, a segunda porta será desbloqueada e você terá acesso a agência. Para sair, é o mesmo processo. Cara, eu nunca pensaria numa coisa dessas!

E este é o sensacional sistema bancário irlandês!