A decisão de voltar

No início de 2014 eu comecei a sonhar com a possibilidade de fazer intercâmbio mais uma vez, dessa vez fazendo um mestrado. Três anos depois, eu pensava na possibilidade de encerrar mais esta fase da vida.

Como todo mestrado, o de Educação e Globalização também tem a duração de 2 anos ou 4 semestres. As aulas são distribuídas nos 3 primeiros semestres e no último o mestrando fica livre para trabalhar em sua tese. Como não há aulas, muitos mestrandos optam por voltarem a seu país de origem e terminarem de lá. Quando retornei a Finlândia em agosto de 2016, eu não sabia exatamente quando iria voltar ao Brasil, mas sabia que seria antes de maio de 2017.

O que ainda me prendia a Finlândia após o término do 3º semestre era meu estágio. Eu havia começado um estágio no início de 2016, mas com o tempo notei que ele não estava me fazendo aprender nada e eu ainda me sentia como se estivesse fazendo um trabalho qualificado de graça com o nome de “estágio” e sem receber nada por isso. Por isso, desisti do primeiro estágio e fui em busca de outro – e como contei aqui, a ideia era fazê-lo no Brasil, mas com as reviravoltas da vida, acabei fazendo em Oulu mesmo. Quando assinei o contrato, ficou decidido que eu terminaria em janeiro, então já comecei a mexer os pauzinhos para adiantar minha volta.

E por que eu não quis ficar até o final?

Morar na Finlândia como estudante = gastar dinheiro e não ganhar nenhum
Por mais que eu tenha feito alguns “bicos” por lá, não ganhei nenhuma fortuna para ter o suficiente para arcar com os custos de moradia e ainda trazer uns trocados para o Brasil. Ficando lá mais tempo, eu só ia torrar mais grana do Brasil e isso já não fazia mais sentido uma vez que eu tinha o total de zero aulas para frequentar e nenhum vínculo com o país.

Fim das aulas
Como já citei, com o fim dos cursos, minha presença não era mais necessária na universidade. Eu poderia continuar lá e escrever minha tese, mas eu posso fazer isso de qualquer lugar do mundo! Já estamos em 2017 e a tecnologia já ajuda muito: posso consultar artigos online no site da universidade, posso pegar e-books emprestados, posso fazer reunião por Skype com minha supervisora, posso enviar a tese por e-mail e o melhor: na Finlândia não se defende tese como no Brasil. Basta eu enviar para minha supervisora para aprovação, depois passar por um programa de plágio e enviar para a universidade. Não tem necessidade nenhuma mesmo de continuar no país.

Frio
Sim, isso mesmo. Eu detesto frio, eu prefiro um milhão de vezes o calor do Brasil no alto verão do que o inverno finlandês. Não foi o fator decisivo, claro, mas eu já tinha passado um inverno inteiro na Finlândia e não estava feliz com a ideia de ter que encarar um segundo inverno. É lindo? É. É lindo 6 meses do ano? Não. E todo aquele ritual de colocar várias camadas de roupa, gorro, cachecol, luvas, botas e tomar cuidado para não escorregar quando a neve derretia ou pedalar “curtindo” uns -15 graus… eu passo! Se eu posso ir embora antes, por que ficar mais meses vivendo como um pinguim?

Lindo, mas ordinário!

Oulu
Isso mesmo, Oulu é o 3º motivo. É uma cidade linda, juro! Eu realmente acho uma cidade super fofa, cheia de natureza e belas paisagens, mas eu sou de São Paulo e estou acostumada com um estilo de vida nem tão monótono… A cidade era muito pequena mesmo, com poucas opções de cultura e lazer, especialmente no inverno. Para quem é dos esportes, não faltam opções nem no inverno, mas eu, apesar de curtir uma corrida e fazer kung fu, não curtia todos esses esportes de inverno. Sendo assim, a vida social acaba se limitando a frequentar a casa de amigos para comer e beber, ir em um dos dois shoppings minúsculos ou cafés – que nem são tantos assim.

O mestrado não é minha vida
No começo, realmente parecia que o mestrado era minha vida, porque afinal eu larguei emprego e toda uma vida no Brasil para ir pro fim do mundo pra Finlândia estudar. Mas depois de um tempo eu acabei percebendo que minha vida não se resume em conseguir um diploma acadêmico, mas que o diploma é parte de um monte de outras coisas que eu chamo de vida. Uma vez fiz a comparação com um bolo aqui no blog. A minha vida é esse bolo de chocolate com blueberry e cada pedaço desse bolo é uma parte da minha vida, sendo que algumas fatias podem ser maiores que outras, mas todas juntas que formam um bolo. No começo, o mestrado representava quase 100% desse bolo, mas aí percebi que este pedaço estava grande demais e que eu queria cortar o bolo em outros pedaços também. Aí que notei que tem um pedaço para emprego (vulgo “ganhar dinheiro”, porque vivo numa sociedade capitalista, né), um pedaço para vida pessoal, um pedaço para hobbies etc, e que o mestrado não precisava ser um pedaço tão grande que me prendesse na Finlândia e não me deixasse aproveitar o resto do bolo… que estava no Brasil!

E como eu nunca tive planos de morar definitivamente por aquelas bandas, achei que antecipar a volta ao Brasil faria mais sentido. Até porque o tempo que passo no exterior “atrasa” planos que tenho no Brasil. Se não há necessidade de passar mais um semestre fora, “bora” voltar. E voltei.

Anúncios

9 comentários sobre “A decisão de voltar

  1. Acredito que essas escolhas não sejam fáceis e admiro sua coragem. As pessoas glamourizam tanto morar fora e acabam não colocando na balança o próprio bem-estar…
    Bem-vinda de volta, Bia 🙂

    1. Bia

      Disse tudo, Fran. Há uma glamourização do morar fora, mas nem sempre é tudo flores. E cada um sabe o que valoriza, o importante é respeitar as opções dos outros.

  2. Oi.
    Cada um de nós tem sua própria vida. Se você vê, que a sua vida está no Brasil, então a sua decisão está correta. Por favor, não se esqueça da Finlândia e Oulu. Se você tem a saudade da Finlândia, então visite a Penedo, a pequena Finlândia, perto do Rio de Janeiro. No final deste post mais informações:
    Arejamento das trajes nacionais .
    Saudações. Matti de Helsinki / Oulu.

      1. Oi Bia. As suas palavras amáveis aqueceram meu coração. Diga-me, se você vai visitar Penedo e vai fazer um blog sobre isso. Em maio eu vou mostrar um post apresentando nosso ciclismo em Oulu do verão passado e alguns postos de Oulu.
        Abraços. Matti.

  3. Myla

    Acho o máximo tomar as rédeas da sua vida. Vc simplesmente colocou na balança o que é importante e pronto: decisão tomada. Como outras pessoas falaram tem gente que “glamouriza” demais outros países. O nosso tem problemas? Tem! Mas cada um é que sabe onde está feliz.
    Parabéns pelo blog, pelo mestrado e por toda coragem. Se puder não deixa de escrever, vc faz isso tão bem, aliás, se quiser também.

Preciso comentar esse post!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s