Procurando um estágio

O meu mestrado tem estágio obrigatório e pode ser feito em qualquer instituição ou organização que tem minimamente a ver com educação, ou seja, as possibilidades são infinitas e cada um é livre para escolher uma área que que tiver mais afinidade. Além disso, dependendo das circunstâncias, a universidade dá bolsa. Por exemplo, se o estágio for feito fora da Europa e durar pelo menos 3 meses, o aluno recebe uma bolsa (que seria mais uma ajuda de custo) de 2000 euros.

Pensando nisso, eu tentei procurar estágio em ONGs do Brasil para juntar o útil ao agradável, mas quem disse que as ONGs me respondiam? Eu entrei em contato com mais de 10 organizações brasileiras por e-mail, me apresentando e anexando carta de recomendação da universidade e jamais me responderam, mesmo eu deixando claro que o estágio era não-remunerado. Ok, vida que segue e acabei aceitando um estágio aqui em Oulu mesmo.

Primeira tentativa de estágio

A coordenadora do curso nos enviou um e-mail sobre uma empresa que exportava o sistema de ensino finlandês para outros países e que procurava estagiários. A promessa era que, dependendo do desempenho, o estagiário poderia ser contratado para trabalhar meio-período após as férias de verão. Meus olhos cresceram e resolvi aceitar o estágio. Minha função? Criar apostilas de treinamento para professores numa linguagem simples abordando diferente metodologias. A suposta vantagem é que eu trabalharia em casa, no horário que achasse melhor, e teria que cumprir 125 horas, pois segundo o dono da empresa “125 horas equivalem aos 5 créditos” que eu ganharia pelo estágio.

Eu faço trabalhos freelance de casa e estou acostumada a trabalhar por conta, mas meu problema começa quando eu não tenho data de entrega e, no caso deste estágio, eu não tinha datas, só precisa ir elaborando os textos. Após completar cerca de 25 horas eu já estava bem infeliz com o estágio por motivos de:

1. A ideia de um estágio é aprender e/ou ganhar mais experiência e eu não estava tendo nenhum nem outro, pois não tinha ninguém pra me ensinar nada e a suposta experiência que estava acumulando não era conhecimento útil;
2. O trabalho era muito chato, pois eu basicamente escrevia um essay por semana, já que precisava procurar conteúdo, ler tudo e mastigar a informação numa linguagem mais do cotidiano num texto de 5 a 6 páginas;
3. Passei a me sentir explorada, pois obviamente estava criando conteúdo que traria retorno financeiro a instituição sem receber nada por isso e nem me beneficiar de outra forma;
4. Descobri que uma das estagiárias contratadas receberia pagamento e achei muito cara de pau da parte da empresa negar pagamento quando eu pedi alegando que não tinha dinheiro – a história ficou estranha.

Como eu jamais havia entregue meu acordo de estágio assinado para a coordenação, eu simplesmente informei o dono da empresa que o estágio não estava de acordo com minhas expectativas e que, portanto, eu estava saindo. Melhor decisão de 2016.

Segunda tentativa de estágio

Voltei das férias de verão sem um estágio para chamar de meu e continuei tentando achar algo no Brasil e olha, fico realmente surpresa que ONGs não respondam pessoas que se oferecem para trabalhar de graça para elas. Enfim, aí um dia tive uma ideia. Em maio do ano passado, visitei uma escola primária a convite da professora de idiomas – ela queria uma troca em que os alunos estrangeiros tivessem a oportunidade de conhecer um pouco do dia de uma escola finlandesa e os alunos pudessem conversar com estrangeiros para praticar inglês. Contei sobre a visita aqui. Sem muita expectativa depois do vácuo de ser ignorada por ONGs brasileiras, mandei um e-mail para a professora explicando que eu precisava de um estágio e se ela estaria disposta a me receber em suas aulas. Para minha surpresa, ela não só respondeu, mas aceitou meu pedido e já marcou uma reunião para discutir os detalhes.

O estágio

O estágio precisa ter a duração mínima de 6 semanas ou 125 horas se for um projeto. No caso de o estágio ser feito em escola, é necessário pelo menos 40 horas em sala de aula e o restante das horas entram para planejamento das aulas e elaboração de relatórios. Como foi realizado em Oulu, não tive direito a nenhuma bolsa ou ajuda de custo da universidade. Por outro lado, também não tive nenhum custo, pois ia para o estágio de bicicleta (ótima motivação para fazer exercício) e levava meu próprio almoço (já que eu não curto muito comida finlandesa da universidade e a da escola é igual).

Além disso, ter a oportunidade de estar numa escola finlandesa quase diariamente por 6 semanas é uma experiência muito relevante para o meu currículo de professora e a ideia de pode estar em contato com alunos finlandeses e conversar com os professores realmente me deixou bem empolgada. Felizmente, não me decepcionei.

Nos posts seguintes vou contar como foi esta experiência super bacana e enriquecedora. 🙂

Anúncios

4 comentários sobre “Procurando um estágio

  1. Nossa, que saco isso de nenhuma instituição brasileira te retornar –‘
    Pelo menos, encontrou algo “melhor” aí mesmo. Ansiosa pela continuação.
    Beijos

Preciso comentar esse post!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s