Vilnius, capital da Lituânia

Cheguei na última capital báltica por volta das 22h. A princípio, havia escolhido um hostel na rua principal da cidade, mas por receio de ir a pé sozinha até lá (1.5km) ou mesmo de pegar um táxi e ser enganada por ser turista, acabei mudando para um outro hostel a apenas 400 metros da rodoviária. Foi fácil chegar lá, mas meio difícil entrar! Fiquei no B&B&B&B&B (sim, é este o nome) e quando finalmente achei a entrada muito mal sinalizada (não sei quem teve a ideia de colar um cartaz bem frente ao nome do hostel), fiquei uns 10 minutos tocando a campainha e nada de alguém atender. Foi quando decidi entrar no que me pareceu ser um restaurante ao lado e descobrir que 1- não era um restaurante, era um bar/balada e 2- fazia parte do hostel, pois o funcionário que me atendeu me indicou a escada para ir a recepção. Fiz o check-in, olhei os mapas para decidir o que faria no dia seguinte e fui dormir.

No dia seguinte, fui andando calmamente até o ponto de encontro do walking tour. O guia era um jornalista que falava muito, mas muito rápido! Logo no começo do tour passamos por onde foi um gueto judeu e hoje, além de casas, tem uma escola construída na época da União Soviética.

A escola
A escola

A parte mais interessante do tour é a visita a República de Uzupis. Uzupis é uma região independente da Lituânia e o nome significa literalmente “do outro lado rio”, pois é necessário cruzar uma ponte para se chegar lá. Tudo começou em 1997 quando um grupo de artistas resolveu revitalizar a área que, até então, era ocupada por moradores de rua e prostitutas. Eles se declararam independentes e o governo do país meio que falou “tá, beleza” e hoje eles têm bandeira, hino, presidente e parlamento (que é o bar que fica logo depois da ponte).

dscf5916

No tal parlamento, você pode entrar e pedir que carimbem seu passaporte como se estivesse mesmo entrando num país e passando pela imigração. O interessante é que eles também têm uma constituição que está traduzida em várias língua (mas não em português ainda) e eu achei que vários destes itens, na verdade, podem ser seguidos para vida. Olhem só:

uzopis

O tour seguiu e no fim um brasileiro que também estava no tour e fez amizade comigo e eu pedimos dicas de onde almoçar na cidade por um preço camarada, mas comendo algo típico. O guia nos indicou o restaurante/bar Snekutis (Š,v. Mikalojaus g. 15). Lá eu pedi o prato mais típico do país, o cepelinai, que é uma massa de batata recheada com carne. Aí você pode pensar “ah, então é tipo uma coxinha?” Não, porque a batata fica com uma textura muito diferente, meio pegajosa e, aparentemente, o prato é assado. Pedi também uma panqueca recheada de queijo para acompanhar.

Cepelinai
Cepelinai

Paguei pouco menos de 4 euros e olha, era muita comida! O cepilinai (foto) é relativamente grande e como é basicamente batata, já dá aquela “enchida” e eu ainda pedi uma panqueca – que estava meio gordurosa, mas a vida segue – e confesso que depois deste banquete, eu só fui sentir fome bem tarde da noite!

Após o almoço, o brasileiro seguiu seu caminho e eu o meu e fui ao Museu das Vítimas do Genocídio. A entrada custa 4 euros e é bom ir com umas 2 horas para a visitação, pois é bastante coisa, apesar de não parecer. São dois andares de museu e no subsolo é possível visitar as celas e como eu estava sozinha (havia outras pessoas no museu, claro, mas eu não estava acompanhada), confesso que deu um frio na espinha e um medinho quando fui na área das execuções.

20161026_173618

Do museu fui até onde é o parlamento lituano, mas sem grandes emoções – é apenas um prédio comunzão! Passei em frente a uma biblioteca maravilhosa, mas não entrei porque não sabia se ainda estava aberta pelo horário (era mais de 18h) e não queria subir a imensa escadaria que havia em frente para descobrir (meu joelho direito ainda estava tentando me matar e subir escada não era assim um sonho).

A biblioteca
A biblioteca

No caminho de volta ao hostel eu quis ir no que agora está virando “moda” na Europa: cat café. São cafés que têm como diferencial um monte de gatíneos lindos andando livremente pelo estabelecimento e você brincar com eles, passar a mão, alimentá-los (se comprar a ração), enfim, uma experiência para aqueles que são louco por gatos.

20161026_184229

O local é bem bonitinho e é necessário colocar protetor de calçado e levar as mãos ao entrar. Há avisos sobre como se portar no local – lavar as mãos antes e depois de brincar com os gatos, não pegá-los no colo ou acordá-los e enfim, respeitar os animais. O que achei bem ruim é que o local exige consumação mínima por pessoa (3 euros) e é bem caro para os padrões locais. É claro que 3 euros na Finlândia é insignificante – você consegue comprar uma casquinha com esse valor – mas se vocês pensaram que eu almocei (e muito bem) por menos de 4 euros, esse valor chega a ser abusivo no local. Claro que eu entendo que eles não querem virar uma atração onde as pessoas vão para ver os gatos, pedem uma água e vão embora, mas 3 euros é realmente absurdo para o país. Como fui obrigada, acabei pedindo um milkshake, e tomei empurrando porque eu ainda estava super cheia do meu almoço.

20161026_185003

Depois de muito enrolar, pois estava muito cansada e bem longe do hostel, fui embora. Passei no mercado para comprar coisinhas para o café e segui para o hostel. Aliás, o B&B&B&B&B tem uma decoração bem clean, o local é super limpo e organizado, os quartos são enormes, bem decorados e não os enchem de camas para dar lotação máxima. Por outro lado, saiba você que se pretende dormir à noite talvez não seja uma boa ideia se hospedar lá no final de semana – eu cheguei numa terça à noite e fui embora na quinta à noite – dormi super bem, mas na quinta já estava rolando um “pancadão” na balada e dava para ouvir dos quartos, além do que me desagradou muito que o povo da balada tinha acesso livre ao hostel para usar o banheiro – sim, o banheiro dos hóspedes.

Quarto feminino
Quarto feminino

Segui para meu quarto feminino de 6 camas que custou 10 euros/noite e descansei bem para o último dia de viagem nos bálticos.

Anúncios

3 comentários sobre “Vilnius, capital da Lituânia

Preciso comentar esse post!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s