Coisas de Finlândia #2

Mais um post falando das diferenças culturais, hábitos e peculiaridades da Finlândia. O #1 está aqui.

  • Aqui o costume é chegar em casa e tirar o calçado na porta. Todas as casas têm um cabideiro logo na entrada para pendurar os casacos mais pesados e deixar os sapatos. Finlandeses andam de meia na casa deles, na casa dos outros e em qualquer outro lugar que seja possível e noto que os estrangeiros acabam adotando este hábito também, mas eu detesto! E eu acho quando chego na casa de alguém e estou “só de passagem” e a pessoa pede pra eu tirar o sapato. Sério, gente, não gosto. Sabe aquela pessoa que vive andando em casa descalça? Pois não sou eu. Andar de meia em casa, pra mim, só com “as meionas velhas”, me incomoda aquela sensação de que estou encardindo minhas “meias de sair” andando sem sapato na casa alheia. Ou mesmo na minha.
  • Todas as culturas, ou pelo menos as mais populares, têm seu estereótipo, o que obviamente não corresponde a 100% da população, mas certamente onde há fumaça, há fogo. A fama dos finlandeses é de serem tímidos, reservados, de falarem pouco e evitar contato desnecessário. Ou seja, se um finlandês não puxar papo com você, não leve para o pessoal – ele só tem medo de estar te incomodando. Esse estereótipo é tão forte que, recentemente, surgiu o Finnish nightmares, brincando com todos os problemas de interação social dos finlandeses. Eu morro de rir!
finnish
Eu já fiz contato visual com uma finlandesa conhecida e quando fui sorrir, ela baixou a cabeça. Testado e comprovado.
  • Não existe a palavra “por favor” em finlandês e é a construção da frase que vai dar o tom educado. Eles também não costumam dizer kiitos (obrigado) em situações que nós falamos, como quando você segura a porta para alguém, por exemplo.
  • Nudez não é tabu, como ficou claro no post sobre a sauna. Todo mundo está acostumado a ver todo mundo pelado na sauna e encara com a maior naturalidade. Como deveria ser.
  • O térreo é o primeiro andar. Então, pra eles eu moro no segundo andar, mas na verdade, é o primeiro. Os números dos apartamentos não têm a ver com o andar. Em São Paulo, pelo menos, se você mora no 71, isso significa que é o 7º andar, mas aqui eles só seguem a ordem mesmo. Só por curiosidade, escada em finlandês é porras. 🙂
  • Em todos os países da Europa que visitei, que me lembre, o troco sempre era exato. Tipo, deu 5,98 euros, você recebe 2 centavos de troco. No meu primeiro dia aqui fui ao mercado, paguei com dinheiro e fiquei esperando o troco certinho, mas ele não veio. Assim como no Brasil, os finlandeses arredondam e moedas de 1 e 2 centavos não circulam por aqui.
  • Uma coisa que achei bem interessante quando cheguei é que o escorredor de louça é um armário! Ao invés de ficar ocupando espaço na pia, você abre as portas e está tudo lá. Achei bem criativo.
Não reparem na bagunça
Não reparem na bagunça
  • Praticamente todas as frutas e legumes no mercado são vendidos por kilo, até banana!
  • E assim como na Irlanda, todo produto no mercado além da etiqueta com o preço, também tem o valor por kilo, ou seja, é muito fácil saber qual produto está mais barato sem precisar ficar fazendo conta.
Tuorejuusto - cream chesse
Tuorejuusto – cream chesse
  • Eu nunca vi por aqui, pelo menos em Oulu, nenhum um tipo de prioridade para idosos, gestantes etc, algo que estamos muito acostumados a ver (mas nem sempre respeitar) no Brasil. Seja no mercado, no banco ou no transporte público, ninguém é preferencial. Mas como aqui é uma cidade do tamanho de um ovo (finlandeses dirão que é uma cidade grande), nunca vi nenhum lugar tão cheio a ponto de ter filas enormes ou o transporte tão cheio que tenha gente em pé.

 

 

Anúncios

9 comentários sobre “Coisas de Finlândia #2

  1. O armário da cozinha aqui de casa também tem esse suporte pros pratos, acho super prático! Mas não usamos de escorredor, é só pra guardar os pratos mesmo haha.

  2. Ótimo post novamente… essas diferenças de culturas pelos olhos de uma brasileiras são muito interessantes e salientam as discrepâncias…. Finnish Nightmares é a maior prova disso. Inconscientemente acho que os brazilians sorriem bastante e para qualquer situação, afinal somos um povo simpático, porém isso pode ser mal recebido dependendo da cultura. Testado e aprovado.

  3. Cely

    Eu gosto da ideia de tirar o sapato para entrar em casa. Faço isso assim que chego na minha. Mas deixo minha havaiana perto da entrada, claro. E se tem tapetes nas casas que visito, aqueles felpudos, embaixo da mesinha de centro, acho legal não pisar com o sapato sujo da rua!!
    Estranho ficar timido ao ser cumprimentado com um sorriso, mas achar normal ficar pelado na frente de pessoas estranhas!!!
    E viva a diversidade cultural!!!! Rs

    1. Bia

      Eu já me acostumei com a ideia de tirar o sapato e depois que começou o inverno esse costume fez todo sentido pra mim: se entrar em casa com o sapato cheio de neve, molha tudo! Além disso, eles jogam cascalho na rua para evitar acidentes e o cascalho gruda no sapato também.
      Achei ótima sua observação sobre ser tímido para encarar alguém, mas ficar nu na sauna de boa! ahahah

Preciso comentar esse post!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s